Tira sarro agora, desgraçado!

Que delícia é Aquaman.

Luide
Luide
18 de dezembro de 2018

Tem coisas que acontecem com a gente, mas graças a um novo fenômeno  da internet chamado “fanfic“, não podemos compartilha-las. Mas como não devemos nos curvar para malucos, aqui vai:

Resolvi assistir Aquaman na última segunda (17/12) e pela primeira vez em muito tempo não ia ao cinema com alguma expectativa. A rotina exaustiva do trabalho, questões pessoais e familiares, me afastaram um pouco desse universo mágico do hype. Tanto que só fui assistir ao filme na segunda porque esqueci completamente que ele havia estreado na quinta.

De todo modo, essa distância me fez perder os debates acalorados e as análises acertadas a respeito do mais novo filme da DC. Portanto, pra mim aquelas horas que passaria sentado olhando pra tela seria mais como um curto momento de entretenimento que eu teria na atribulada semana do homem adulto. O filme começa e confesso que demorei alguns minutos para me conectar com a trama. A cabeça estava em outro lugar, pensando no primeiro Natal que passarei longe da minha filha, no meu apartamento que precisa de pintura e em um depósito que esqueci de fazer. Até que a história que mais parece fanfic aconteceu e me permitiu mergulhar de cabeça em Atlântica.

Nossa, ele tá montado em um tubarão?” gritou um garotinho que devia estar umas duas cadeiras de distância. É a terceira vez esse ano que me confronto com a vibração do verdadeiro público dos super heróis. O mesmo aconteceu em Pantera Negra e Guerra Infinita. Ao contrário de alguns adultos que se recusam a dividir espaço com os pequenos, me sinto privilegiado em ser vítima dessa empolgação barulhenta. O fato é que naquele momento eu percebi que estava dentro de um cinema, vendo um filme onde um cara cavalga um tubarão. Era meu dever colocar o celular em modo avião e fingir que a vida pode ser mais fantástica.

E que filme incrível. Eu jamais imaginei dizer isso do Aquaman, já que faço parte da classe que debocha do super herói desde o seu primeiro contato com ele. Como alguém que fala com a matéria prima do sashimi poderia render algo além de risadas? Quando o garoto vibrou com o cara cavalgado em um tubarão, só conseguia ouvir uma voz lá no fundo dizendo “tira sarro agora, desgraçado“.

James Wan fez lá sua jornada do herói, com isso e aquilo etc. Mas que filme empolgado com ele mesmo… é difícil ele parar ou não ter algo que te coloca na mesma sintonia que uma criança. Pra quem um dia achou que o legado de Zack Snyder na DC não seria superado, aqui está um ótimo exemplo de como ele foi. Enquanto Mulher Maravilha e Liga da Justiça (esse por motivos óbvios) bebiam na fonte do diretor, Aquaman se descola completamente não só em ritmo, montagem, mas nas cenas de ação, que era onde Snyder deitava e rolava. James Wan faz melhor, muito melhor.

Mas o que me tirou um sorriso de felicidade ao subir dos créditos foi saber que o Jason Momoa mereceu esse épico. Ele é esse cara gente fina que a gente aprendeu a gostar, nada mais recompensador que um filme seu, afinal de contas, pra mim era o Momoa e não Arthur Cury na tela. Sensacional.

Me despeço dos heróis em 2018 com a alma lavada, feliz e lembrando que da pra ser meio bobão as vezes. Até debaixo d’água.

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 14/11/2018

  • Luide

Por que precisamos de um filme de Breaking Bad?

  • 24/10/2018

  • Luide

Ainda é cedo demais para ela entender

  • 03/10/2018

  • Luide

“Estão misturando política e Star Wars”: por que será, né?