Super ricos são insuportáveis até na ficção

Ainda bem que Succession é muito boa.

Luide
Luide
4 de fevereiro de 2020

Vai, não da pra culpar que um super rico (bilionários, não você que financiou um apartamento) seja desconexo com a realidade. Veja bem, o cara nasceu, cresceu e provavelmente irá morrer sem saber o quão problemático é a questão do dinheiro em nossas vidas enquanto seres humanos em um mundo capitalista (ou não, dinheiro rege o mundo). Sério, olhe ao seu redor, faça uma análise de todos os momentos de sua história até aqui e me responda: quantos problemas deixariam de existir se DINHEIRO fosse algo infinito? Tipo, seus pais moram em um barraco? PLUF! Agora moram em uma cobertura com 20 empregados.

É claro que a falta de dinheiro te molda, da mesma forma que o excesso dele transformou esses super ricos em seres humanos em um outro grau de existência. Mas enfim, porque estou aqui fazendo essa longa reflexão sobre dinheiro e gente rica? Porque sem isso em mente as chances de vocês não aproveitar Succession como se deve se tornam grandes.

A série conta a história da família Roy, onde o patriarca Logan Roy construiu um verdadeiro império, dono de um dos maiores conglomerados de mídia no mundo. Ou seja, além de muito dinheiro, ele também tem muito poder. É como se a história da família Marinho fosse dramatizada. Enfim, Logan tem 4 filhos, um mais afetado que o outro, mas um em especial, Kendall, quer destronar o pai e assumir o cobiçado posto de CEO da empresa.

Porque claro, quando se faltam problemas reais para lidar, o negócio é brincar de chefe. Toda essa premissa parece simples, mas obviamente Succession é mais do que isso. Produção da HBO (ou seja: espere pela alta qualidade), a série possui um texto finíssimo com um elenco que faz jus a cada linha do roteiro. Todos, absolutamente todos os personagens estão perfeitos. É difícil escolher quem se sai melhor e qual deles é o mais odiável: todos se esforçam para serem os piores seres humanos possíveis.

Todo o conflito familiar, que convenhamos, não é novidade alguma na dramaturgia, é muito bem posto, já que diferente de um cenário onde existem os bons e maus filhos, aqui ninguém presta. Todos possuem caráter duvidoso com uma estranha mistura de pervertidão e ingenuidade. Ingenuidade essa que não é de espantar, já que como já dito, super ricos estão desconexos com a realidade: em um dos vários momentos espetaculares, o filho mais velho resolve ser presidente dos EUA. Por que sim.

Odiar Succession faz parte, continuar assistindo também. E só melhora ao avançar dos episódios. As armações dos filhos, o pai durão, a madrasta megera e o primo caipira. É tanto estereótipo tão bem elaborado que você cria um carinho especial. Vale a pena dedicar seu tempo a essa série que tem tudo para se tornar um dos maiores fenômenos da HBO na atualidade.

E lembre-se: se você ficou ofendido quando falei dos super ricos, tenha em mente que um Corolla na garagem não te torna um. Abraço.

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 24/04/2019

  • Luide

A hora de partir

  • 22/04/2019

  • Luide

Nunca se esqueça

  • 15/04/2019

  • Luide

Game Of Thrones retorna para fazer o que nenhuma outra série conseguiu