Sabe aquele programa com cara de TV a cabo? Agora tem na Netflix

Realitys, documentários e programas de variedades: é a Netflix se expandindo de verdade.

Luide
Luide
8 de agosto de 2018

A Netflix começou o ano de 2016 se expandido para mais de 130 países ou territórios e se tornando uma empresa de alcance global como nunca se viu. Em 2018 ela anunciou que pretendia investir mais de US$ 6 bilhões de dólares em produções originais e com isso montar um catálogo cada vez mais seu e não depender de outros estúdios ou distribuidoras. A ideia sempre foi essa: conquistar e fidelizar pelo conteúdo próprio, não mais emprestado.

E nessa jornada rumo a dominação global do entretenimento, a Netflix fez algumas jogadas inteligentes, como entender públicos específicos de cada país e investir em séries, filmes e documentários para aquele nicho. O Brasil é um exemplo dessa investida. Aqui já são mais de 20 milhões de assinantes, número que coloca a gigante de streaming a frente da TV a cabo (que sofre uma queda em assinaturas desde 2014). A produção de conteúdo nacional só aumenta e o que começou com séries, agora se expandiu para filmes e até animações.

A Netflix entende como poucos o padrão de consumo de seus assinantes, chegando inclusive a ser acusada de produzir séries baseada em algoritmo. Não que outros canais não façam isso, mas se a Netflix faz, qual o problema? Do ponto de vista mercadológico nenhum, então, meio que tanto faz se o produto final é bom. Mas voltando ao padrão de consumo: a Netflix agora produzindo uma nova forma de entretenimento e pelo que parece, está dando certo.

São aqueles programas bem a cara da TV a cabo, que você provavelmente encontra passando nesse exato momento em algum canal tipo Discovery ou GNT. Uma mistura de reality show com documentários. Não importa, a Netflix vem inflando seu catálogo com essa programação que te lembra muito os bons tempos da tv por assinatura. Só que por um preço bem mais em conta.

Exemplos recentes são Mandou Bem!, aquele reality de culinária onde vence o menos pior. Tem Incríveis por Dentro que é uma busca pelos interiores mais bizarros e cools do mundo, em um formato que lembra muito as consagradas séries desses canais a cabo. E por fim Por Dentro das Prisões Mias Severas do Mundo, obra que poderia muito bem ser exibida no NatGeo.

A Netflix não está interessada em ser o lugar favorito do fã de série que adora fazer uma maratona. Ela quer a sua mãe assistindo, ela quer que o seu avô peça a senha emprestada ou seja convencido a ter sua própria assinatura. Uma expansão de verdade que a coloca de vez com uma opção real a tv a cabo como um todo. Não é só assistir a filmes e séries quando quiser, mas assistir QUALQUER coisa quando você quiser. E isso inclui essas competições culinárias ou documentários sobre assassinatos (que aliás tem em abundância na Netflix).

Quem um dia sonhou que o catálogo da Netflix seria um Olimpo das produções já mudou de ideia há algum tempo. Estamos diante de um monstro que quer abocanhar a tudo e todos e nem que pra isso precise produzir algumas porcarias.

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 14/03/2018

  • Luide

Essa chamada da TV Globinho de 2005 mostra a quantidade de desenhos que eram exibidos na TV

  • 12/03/2018

  • Luide

Agora o funk vai te incomodar até na Netflix

  • 09/03/2018

  • Luide

SBT é a resistência da programação infantil na TV aberta