Por que “Fly” (aquele da mosca) é um dos episódios mais importantes de Breaking Bad

Tem gente que odeia. Tem gente que pula. Tem gente nunca parou pra pensar na genialidade desse episódio

Luide
Luide
3 de setembro de 2015

O ano era 2010 e a terceira temporada de Breaking Bad caminhava a todo vapor para seu estrondoso final, aquele que despedaçaria pra sempre Jesse Pinkman, deixando em aberto o destino de nossos protagonistas. Em uma temporada onde Hank sofreu um atentado e Walter viu seu câncer entrar em remissão, a expectativa para os últimos episódios elevou os níveis de tensão nunca antes visto até então na série.

Eis que no décimo episódio os fãs sentiram o baque. Durante 50 minutos um episódio todo focado na captura de uma mosca. O que Gilligan estava pensando? Que absurdo! Onde estão os corpos sendo derretidos em ácido? O cartel? O poderoso Heisenberg? Muita gente pulou, muita gente odiou a “lentidão”. O fato é que naquele momento Breaking Bad estava te lembrando o tipo de série que era, criando um dos momentos mais marcante e importantes em todos os seus 62 episódios.

Fly“, conhecido carinhosamente como “aquele da mosca“, é importantíssimo dentro de vários aspectos, hoje vamos tratar dos dois principais: seu contexto e o que ele representa para Breaking Bad e a famosa teoria metástase em Walter.

Diz a lenda que em 2010 a produção de Breaking Bad estava com um orçamento meio baixo para fazer filmagens externas (dizem que a culpa era de Mad Men) e era preciso improvisar. Vale lembrar que nessa época a série ainda não era tão prestigiada assim nem pelas premiações e muito menos pelo público (o Netflix foi vital para que ela alcançasse essa fama). Pensando nisso, Gilligan deu a ordem para um roteiro totalmente focado naquilo que ela tinha de melhor: Walter White e Jesse Pinkman. Os dois personagens chaves dessa série que há muito não tinham um episódio onde pudessem se confrontar. O último provavelmente foi o outro excelente “4 Days Out” (S02E09) onde ambos passam 4 dias cozinhando sozinhos no deserto.

Fly” se passa basicamente dentro do laboratório e do começo ao fim, vemos a relação entre Walter e Jesse ser explorada de uma maneira singela e ao mesmo tempo brilhante, com Bryan CranstonAaron Paul mostrando porque ambos terminariam Breaking Bad com três Emmys Awars cada um (Melhor Ator e Melhor Ator Coadjuvante).

Em uma cena tipicamente “Breaking Bad“, o episódio começa com um zoom em uma mosca enquanto ouvimos a voz de Skyler cantando uma canção de ninar para a pequena Holly. Logo em seguida Walter em uma crise de insônia (atordoado pelas preocupações), resolve ir para o trabalho. Lá ele nota que faltam algumas gramas do produto, Jesse rebate, vai embora e logo em seguida ele avista a maldita: uma mosca que iria contaminar toda a produção de metanfetamina.

É preciso lembrar das obsessões de Walter durante toda a série e essa não seria a primeira nem a última. Walter passa a caçar a moscar ferozmente e madruga ali mesmo, completando praticamente duas noites em claro.

No outro dia Jesse se assusta com a condição de Walter e após tentar -em vão- ajudá-lo na caçada, ele resolve batizar um café com alguns calmantes e entregar para nosso amigo. Assim que o remédio começa a fazer efeito e Walter se acalma, vemos o cozinheiro se desmanchar e retomar um pouco daquilo que um dia foi o Walter White, o professor de química preocupado com a família. Ele começa a falar sobre a remissão de seu câncer e da hora certa para morrer e até que chega em um ponto importantíssimo.

Walter abre seu coração pela última vez e revela que viveu demais. Ele precisava fazer tudo antes que Skyler descobrisse, para que quando morresse, deixasse uma recordação doce no coração das pessoas. E provavelmente o momento perfeito para que isso tivesse acontecido, o momento exato para que o grande Heisenberg encerrasse sua carreira, foi pouco antes de Walter encontrar o pai de Jane em um bar.

Ele não deveria ter saído de casa… aquele momento em que Walter White estava sentado no sofá ouvindo Skyler cantar a canção para Holly (a que abre o episódio), aquele momento era perfeito. Ele deveria ter morrido ali… então uma lágrima cai de seus olhos. Nesse momento de sinceridade, Walter realmente percebe o buraco sem fundo em que se meteu e que nunca mais teria paz. Logo em seguida, Walter quase revela para Jesse que viu Jane morrer e nada fez. É visível como isso o machuca, mesmo assim ele ainda acha que fez aquilo para o bem de seu aluno.

Ali vemos um homem totalmente atormentado pelos seus demônios desabando. Seu desabafo é triste e vemos que, mesmo no fim ele ter admitido a Skyler que fez tudo pra si mesmo, é visível que um dia ele cogitou parar com tudo isso. A jornada de Walter White poderia ter sido mais curta…

A teoria da metástase

Enquanto Jesse espera os calmantes surtirem efeitos em Walter, ele aproveita para contar uma história e assim ganhar tempo. Ele conta que na casa de sua tia (aquela que morreu de câncer), havia um gambá que caminhava pelo teto da casa. Pouco depois alguém captura o bicho, mas a tia continua a ouvir ele caminhando. Sua obessação por isso levou a família a procurar um médico, aí souberam que o câncer havia se espalhado para o cérebro.

Bom… Walter soube no episódio “4 Days Out” (S02E09) que seu câncer estava em processo de remissão, mas todos nós sabemos que ao final da série ele já estava tomado pelo câncer. Walter então, mesmo sem perceber, já estaria sofrendo as mudanças que a metástase do câncer estaria provocando em seu cérebro. É importante notar o quanto ele começa a ficar ainda mais perverso a partir desses episódios, chegando ao ponto de explodir um quarto de asilo.

Mesmo após Jesse matar a mosca e uma boa noite de sono, a última cena que vemos em “Fly” é justamente Walter encarando outra mosca. Mais adiante, ele voltaria a confronta-la. Isso vai acontecer na reta final da série, no episódio “Gliding Over All” (S05E08) onde além de precisar se desfazer do corpo de Mike, executa seu plano de matar todos os seus ex empregados e companheiros. Naquela altura já é sabido que o câncer de Walter voltou, mas o quanto ele estava avançando é um mistério.

Sendo assim, levando em conta que Vince Gilligan nunca faz nada gratuito, é provável que a história que Jesse conta sobre sua tia tenha total ligação com o que Walter passaria a viver após “Fly“. Basicamente o episódio era uma profecia do apocalipse. Obviamente tal teoria nunca foi (e nem será) confirmada, mas conhecendo que a genialidade de Breaking Bad escondida em pequenas coisas, é bem possível que Gilligan nos tentava passar essa mensagem.

Boas recordações…

Dois anos após seu fim Breaking Bad ainda é minha série favorita e me desperta muita vontade de analisar cada passo de Walter White. Poucas séries conseguiram unir tantas qualidades em um só lugar e tenho “Fly” como exemplo de perfeição em atuação, roteiro, edição, fotografia e direção. Tudo feito com carinho e cuidado para proporcionar a melhor experiência. Não por menos grandes episódios de grandes séries sempre são aqueles focados em dois personagens importantes em locais isolados: The Sopranos com “Pine Barrens” (S03E11) e Mad Men com “The Suitcase” (S04E07).

O que não falta para Breaking Bad são momentos memoráveis e você certamente tem aquele episódio guardado pra sempre em seu coração. No meu, “Fly” divide espaço com mais alguns. Ver que Vince Gilligan não esqueceu que sua obra é sobre seus personagens e nos presenteou com um episódio tão lindo e sensível, é o que me faz ter tanto respeito por Breaking Bad. O engraçado é que um dos pontos fortes de “Fly” é a direção de Rian Johnson, que depois voltaria para outros dois episódios, entre eles, o inesquecível “Ozymandias“. Quando você quiser relembrar Breaking Bad e curtir um episódio onde TUDO de mais importante de Walter White é posto em tela (seus medos, obsessões, seu ego, suas certezas) bem meu amigo, esse episódio é “Fly“.

Então sim Mr. White, eu prometo guardar boas memórias do senhor. Aquele dia em que você ouvia Skyler cantar para a Holly era perfeito para a sua morte, mas você não podia morrer. Breaking Bad ainda precisava de tempo para entrar pra sempre na história da televisão.

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 06/03/2019

  • Luide

Você está pronto para ser um perdedor?

  • 27/02/2019

  • Luide

Tudo bem que você não gosta do carnaval

  • 21/02/2019

  • Luide

A sombra da sua própria obsessão