Pantera Negra: o Rei de Wakanda vai em busca do bilhão. E do Oscar

Recorde atrás de recorde.

Luide
Luide
7 de março de 2018

07 de março de 2018 e Pantera Negra já somou a quantia de US$ 915 milhões em bilheteria em seus três finais de cinema em cartaz, e se depender das previsões dos próximos dias, o filme não só atingirá a marca do bilhão, se tornando assim o quarto da Marvel a conseguir esse feito, como também se tornar a terceira maior arrecadação do estúdio, ultrapassando Guerra Civil. Só pra constar: é o filme mais lucrativo Marvel sem Robert Downey Jr.

Em sua passagem pelos cinemas Pantera Negra quebrou alguns recordes. Nesse momento é o 9º filme mais lucrativo da história nos EUA com US$ 506 milhões. Se tornou o 3º a chegar mais rápido na marca dos US$ 500 milhões. Maior arrecadação em uma segunda feira. Em solo americano, Pantera só fica atrás do primeiro Vingadores. Sozinho o Rei de Wakanda conseguiu feitos que nenhum outro super herói conseguiu.

E tem mais um detalhe: Pantera Negra ainda não estrou na China.

Poster chinês de Pantera Negra

Isso vai acontecer dia 08 de Março. E o filme bateu o recorde de pré-venda de ingressos.

Ou seja…

Tanto sucesso obviamente vem chamando a atenção. No Oscar, o filme foi lembrado no monólogo inicial como exemplo de representatividade.

E por falar em Oscar, uma fonte contou ao Deadline que a Disney fará campanha para Pantera Negra, incluindo a de Melhor Filme. Com a premiação perdendo importância e audiência a cada ano, não é impossível imaginar Pantera sendo indicado em algumas categorias com a finalidade de atrair parte do público.

O Rei de Wakanda não veio pra brincar. Não veio pra ficar em uma zona cinzenta de blockbusters. Veio pra fazer barulho e história.

Seja doador e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 11/04/2018

  • Luide

A decisão mais difícil de sua vida é escolher o melhor filme Disney/Pixar nessa batalha

  • 10/04/2018

  • Luide

Nada a Perder tem resenhas positivas excluídas do IMDb. Motivo? Fraude

  • 10/04/2018

  • Luide

Não respirei por 90 minutos no cinema