A beleza cirúrgica e o “gore encantado” de The Knick

"Ten Knots" (S02E01) da boas vindas ao segundo ano com tudo aquilo que aprendemos a amar na série

Luide
Luide
20 de outubro de 2015
 

Sou desses caras sensíveis a sangue, tripas e pessoas mortas. Nunca fiz parte da rodinha da escola pra ver as fotos dos Mamonas Assassinas após a queda de avião. Odiava o site Assustador. Não gosto, não desce, não vai. Mas aí veio The Knick e sem perceber lá estava eu com os olhos arregalados vendo Dr. Thackery abrindo pessoas, sangue pra todo lado, aahhhh!

Mas graças a fotografia do diretor Steven Soderbergh e a trilha sonora de Cliff Martinez, The Knick transfere seu cérebro para uma estranha imersão no início do século XX. A cenas que deveriam causar algum tipo de repulsa se tornam naturais, afinal, estamos em uma época onde a medicina ainda engatinhava, e ver pessoas sendo abertas e costuradas de uma maneira tão crua acaba até mesmo sendo algo poético. A luz, a textura, a música… de repente, The Knick é tão bela que nós nos deixamos levar pelas mãos dos cirurgiões.

Além desse “gore encantando“, o segundo ano de The Knick retorna tocando em assuntos que lhe consagrou como uma das melhores estreias de 2014. A obsessão de Thackery, o racismo e Dr. Edwards, as descobertas da medicina, inovações tecnológicas flertando com a trama, problemas sociais. The Knick faz um apanhado de várias situações cotidianas de 1901 que ainda estão presentes em 2015. Por isso a série é atual mesmo se passando em uma época onde se viciados de cocaína eram tratados com heroína.

O que também me encanta em The Knick é, como já dito no parágrafo acima, o flerte com as revoluções tecnológicas e citações a gênios dessa época, como Edison e Tesla. A ambulância elétrica apresentada como uma alternativa melhor que cavalos que cagam e consomem água, jamais passaria daquilo. A humanidade infelizmente escolheu combustíveis fósseis e hoje, mais de 100 anos depois, a Tesla Motors está totalmente focada em construir carros elétricos e autônomos.

Essa conversa com os nossos dias está na raiz de The Knick, afinal, ao mesmo tempo que nos indignamos com a falta de reconhecimento com Dr. Edwards (que já mostrou seu valor como cirurgião diversas vezes), nos lembramos da galera incomodada com um ator negro em Star Wars. E isso aconteceu NESSA semana…

Dr. Edwards e The Knick: algumas revoluções são mais difíceis

Enquanto a bizarra cirurgia plástica que o Dr. Thackery realiza no início do episódio nos parece algo primitivo, o racismo ainda está aqui, ali, em todo canto. Algumas coisas mudam, evoluem, avançam, criam novas perspectivas. Já outras…

O segundo ano de The Knick promete seguir nesse ritmo, promete ser bela, imersiva, cru, sangrante. Promete mais paralelos com os nossos dias, e mais momentos que causam um certo incômodo. E infelizmente, esse incômodo não é de uma perna jorrando pus…

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 10/04/2019

  • Luide

E quando alguém que amamos vai embora?

  • 01/04/2019

  • Luide

E tem gente que não vai assistir a Game Of Thrones…

  • 21/03/2019

  • Luide

O feio não tem conserto