O dia que descobri a série “Vikings”

Foi assim que uma nova paixão começou

Luide
Luide
5 de junho de 2014

Já tem algum tempo que não me permito ficar sem vício algum. Mas não se engane, esse “vício” a que me refiro, é aquele voltado a séries e filmes. Meu cérebro precisa estar ocupado com coisas aleatórias nas horas vagas, pra eu não enlouquecer com trânsito caótico, contas e casa. Mas principalmente, me viciar em alguma série ou fazer maratonas de filmes, me ajuda a sempre manter (ou tentar) a qualidade aqui no blog. Como vocês sabem, o Amigos do Fórum nada mais é que um lugar onde eu compartilho as coisas que gosto com vocês.

Enfim. Após uma experiência muito feliz e agradável com True Detective, eu fiquei amarrado apena a Game Of Thrones. Em mais de um ano era a primeira vez que eu acompanhava apenas uma série semanalmente. Eu PRECISAVA procurar outras fontes de diversão. Desde 1º de janeiro eu vinha tentando assistir a um filme por dia, mas em meados de fevereiro eu acabei falhando. Foi então que, dia desses, zapeando pelo NetFlix da vida me deparei com a série “Vikings“. Resolvi dar o play e cara…

QUE.SÉRIE.FODA.

O lendário Ragnar Lodbrok, interpretado pelo ator Travis Fimmel. Ragnar realmente existiu e reinou entre os séculos VIII e IX onde hoje se conhece como Suécia e Dinamarca. Foi um importante desbravador.

Vikings” é uma série do canal History e toda sua produção tem base histórica. É claro a série não é um relato real aos fatos que ocorrem nesse período, mas acerta, em muito, ao retratar a mitologia nórdica e o estilo de vida desses povos escandinavos. Começou a ser exibida em 2013 e esse ano, sua segunda temporada chegou ao fim (no NetFlix só tem a primeira).

A série acompanha a jornada do lendário Rei Ragnar Lodbrok (na série ainda um guerreiro/fazendeiro), personagem histórico que realmente reinou na Suécia e Dinamarca durante os séculos VII e IX. Ragnar foi um importante explorador viking e um dos responsáveis pela descoberta do Oeste. Na série, Ragnar é interpretado pelo australiano Travis Fimmel e, sinceramente, não vejo um protagonista tão incrível assim desde que descobri Frank Underwood. Ragnar é determinado, frio, calculista e um guerreiro habilidoso. Assim como outros grandes protagonistas (o já citado Frank Underwood e Walter White), a série toda é pontuada pelas decisões.

À também um foco no corriqueiro, e o ponto alto é justamente trazer de uma maneira crua como foi essa era. Os vikings foram grandes exploradores e guerreiros. Chegaram até mesmo a América e sua influência se espalhou por grande parte da Europa, principalmente devido a saques e pilhagem na Inglaterra e França. Não falta sangue, não falta violência e claro, não falta a mitologia nórdica.

Aa frente da horda viking, a esposa de Ragnar, a escudeira Lagertha retrata a mulher guerreira. Ao centro Ragnar, um líder nato, e seu irmão, Rollo.

Thor, Odin, Heimdall, Loki, Valhalla, Yggdrasil… o tempo todo somos expostos a crença dos nórdicos, e a maneira que a série encaixa essa mitologia é muito interessante. Desde o ritual da morte de um guerreiro até a descoberta de uma gravidez. Tudo é muito bem interpretado, e tudo isso é fruto da produção do canal History. Para nos fazer entrar de vez nesse universo, eles usam de um artifício interessantíssimo: em um de seus saques, Ragnar chega até um mosteiro e leva pra si alguns padres. O intuito era vendê-los como escravos, mas ao perceber que ter ao seu lado alguém que conheça as terras do Oeste, Ragnar decidi ficar com o pobre padre pra si.

A maneira como o padre irá reagir aos costumes vikings é exatamente a maneira que nós reagiríamos. Isso torna muito mais fácil de entender aquela civilização e se portar diante dela. A fé é muito presente no cotidiano, e praticamente tudo é ditado por ela. Guerreiros desejam morrer em batalhas para encontrar seus amigos em Valhalla. Sacrifícios humanos são oferecidos a Thor para que uma mulher volte a se tornar fértil. A série toda é uma imersão em uma cultura totalmente diferente do que nós, ocidentais, estamos acostumados.

Katheryn Winnick como a guerreira Lagertha. Papel que certamente fará Katheryn entrar fácil na sua lista de mulher poderosas em séries

Mas deixando de lado a fé e o dia dia, a melhor coisa de “Vikings” são as batalhas e o relacionamento entre guerreiros. A honra e o respeito são pontos fundamentais para eles, e quando postos em batalhas, elas são empunhadas ao lado da espada. Ou machado. Em momento algum a série deixa de empolgar, pois está repleta de excelente diálogos e atuações. O elenco foi muito bem escolhido pra representar o esterótipo nordista. É impecável.

Vikings” é uma série que merece sua atenção. E muita.
Se ainda não conhece, trate de correr atrás. E claro, sempre assista acompanhado de cerveja e um chifre de boi como copo (eu já tenho meu):

p.s: se o Ragnar conhecesse o Thor da Marvel nos cinemas, certamente lhe passaria uma “lambida” com seu machado

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 26/07/2019

  • Luide

Não veja a série: se você tem saudade de Watchmen, é só tirar o gibi da prateleira e reler

  • 16/07/2019

  • Luide

Um podcast que virou série, uma série que é muito boa

  • 18/06/2019

  • Luide

Acabou, mas ninguém ficou sabendo