X


História de um Casamento: mas PQP, que filme desgraçado

O fim de um relacionamento como ele é.

Por Luide
9 de dezembro de 2019

Logo depois de uma audiência diante de um juiz, CharlieNicole (personagens vividos por Adam Driver e Scarlett Johansson) resolvem se encontrar pessoalmente para discutir o que foi discutido pelos seus advogados. Afinal de contas, tratam-se de duas pessoas que se conhecem há uma década, viveram um longo período juntos e portanto, estão prontos para ter uma conversa madura e transparente. Mas não é isso o que acontece.

Uma mistura de raiva e frustração define o tom do embate, com ambos se exaltando e nem de perto querendo ouvir o outro lado do parceiro. Para Charlie tudo é ainda mais intenso, já que partiu de Nicole a ideia do divórcio. É dele que vem o excesso de raiva, a intensidade das palavras e os primeiros insultos. Mas mesmo assim, em determinado momento, o que temos em cena são duas pessoas que um dia se amaram trocando ofensas gravíssimas umas as outras.

É nesse momento que História de Um Casamento me tirou do sofá e arremessou direto para um período difícil da minha vida que odeio revisitar. Essa discussão onde um quer apenas ofender o outro, muitas vezes com mentiras ou exageros, é tão, mas tão doloroso, que até hoje não sei como conseguimos suportar. Me vi em Charlie: desesperado, com ódio, tomado pelo orgulho e egoísmo e no fim, de joelhos diante da pessoa amada.Como um relacionamento chega a esse ponto? A gente não entende. Não consegue entender. Não quer entender. Talvez seja isso que nos tire do sério.

Por que relacionamentos acabam? Por que o MEU relacionamento tinha que acabar?

Não é justo. Nunca é. O novo filme de Noah Baumbach para a Netflix consegue de uma forma insuportavelmente perfeita emular o término de uma relação. É tudo tão familiar que assusta, da vontade de parar. Dar pause e nunca mais voltar. E é justamente pela falta de um motivo maior (como uma traição ou algo do tipo) que tudo fica ainda mais desesperador e… natural. Por que na maioria das vezes é assim que o amor acaba: sem um motivo específico, sem razões e sem grandes eventos.

Você acorda um belo dia e não sente vontade de beijar a pessoa amada. Vai dormir e presta mais atenção no celular no que nela. Não ri mais. Não chora mais. Não sente nada. De repente, a pessoa que um dia você jurou amor eterno, passa a ser mais alguém. Não é ódio, nem desprezo, você inclusive ainda sente algo. Mas não é amor romântico, não é a pessoa que você quer transar e dormir agarrado.

Imagino o quão difícil deve ter sido para Nicole perceber isso. E sei o quão difícil é o que aconteceu com Charlie. No fim todos sofrem, um término não é pior ou melhor pra um do que pra outro. Ninguém sai inteiro disso. A diferença é que algumas feridas demoram mais para cicatrizar do que outras.

Mas elas cicatrizam. Acredite. História de Um Casamento ainda tenta deixar que uma verdade universal seja sua última memória do filme: tudo passa. Demora, dói, você acha que não irá suportar… mas passa. Do seu luto só você sabe. Chore, procure ajuda e respeite seu próprio tempo.

É difícil deixar de amar e ser amado. Mas tudo passa, inclusive essa dor. Até lá, se cuida.