Cooked: quando foi que passamos a odiar a comida?

Série documental do Netflix é um resgate da nossa relação com os alimentos

Luide
Luide
30 de maio de 2016

Um reality show que tenta descobrir o mais novo chef do Brasil, ou aquele que busca o melhor confeiteiro. O melhor churrasqueiro? Tem também. Existem programas para os mais variados tipos de culinária na televisão e você tem tempo de sobra para assisti-los. Mas e cozinhar? Quantas vezes durante a semana você vai pro fogão cozinhar seu próprio alimento? Descascar cebola, alho, preparar um purê, grelhar uma carne…

Não é a toa que cozinhar virou espetáculo. Nos distanciamos tanto dos alimentos que ficamos de olhos arregalados vendo aqueles deliciosos pratos sendo preparados. É como se fosse algo distante, que só existe na televisão feito apenas por pessoas de gabarito. Odiamos fazer supermercado, odiamos fatiar, odiamos pia suja, odiamos fogão sujo, odiamos esperar. Nós odiamos comida.

O aumento do número de programas do gênero e a veneração pelo gourmet e comer fora, tornou o ato de cozinhar incômodo. Na correria do dia-a-dia você risca de sua agenda afazeres que consomem tempo demais, e passar alguns minutos preparando um arroz com feijão é carta fora do baralho. Um dos atos mais básicos e ancestrais do homem foi se perdendo com tempo, graças a industrialização do alimento (basta ver quem são os principais patrocinadores desses programas) e a procrastinação.

Fogo: cozinhar não é apenas comer melhor, é entender melhor o que nos torna humanos

E é buscando esse resgate entre nós seres humanos e a comida que a série documental Cooked chegou ao Netlfix. Enquanto Chef’s Table é pura poesia ao mostrar o que existe por trás da cozinha de grandes chefs, Cooked é mais didática em sua proposta. Dividida em quatro episódios, cada um representado um elemento da natureza, Cooked passeia ao redor do mundo buscando entender melhor como nosso relacionamento com a comida nos trouxe de primatas até o homem moderno.

Longe de ser uma série metida a ativista, Cooked se propõe a mostrar o outro lado de uma vida onde comer virou obrigação, não prazer. E para representar o espectador temos o escritor Michael Pollan, que episódio após episódio, vai redescobrindo pequenas tarefas que melhoram o relacionamento homem/alimento.

Fogo, Água, Ar e Terra são os elementos que dão nome aos episódios. Com esses quatro componentes básicos da vida, Cooked nos leva para conhecer tribos aborigenadas na Austrália, famílias na Índia, pequenos produtores, ou simplesmente pessoas que estão vivendo uma espécie de renascença da maneira como lida com a comida.

Tão importante quanto celebrar esse reencontro, Cooked também denuncia como somos expostos a esse estilo de vida que nos obriga a romper tal relação. A industrialização de alimentos, a publicidade pesada, um estilo de vida vendido junto com refrigerantes e fast food. A mensagem “olha, você não precisa cozinhar, nós fazemos isso por você” vai te corrompendo de tal modo que sem perceber, acaba achando que cozinhar é coisa de mãe, de vó, e você não nasceu pra fazer isso.

Comida é parte importante das tradições de uma nação, e quando isso começa a se perder, toda uma cultura vai sendo deixada pra trás . Durante o episódio Água vamos até a Índia ver como o país está sendo bombardeado de todos os lados pelos produtos industrializados. Um dos países onde a comida caseira é patrimônio nacional, os indianos estão vendo seus pratos e especiarias sendo transformados em química pura.

Ar: cozinhar não é apenas comer melhor, é se conectar com quem amamos

Aliás, nesse episódio existe uma cena bastante reveladora sobre a tediosa família do século XXI: uma mãe mexe no celular enquanto a filha assiste TV. Eles tem uma tartaruga no aquário. O pai e o filho chegam. A mãe diz que não teve tempo de cozinhar. Eles pedem delivery de hamburguer, frango e batatas fritas. Todos sentados no sofá vendo televisão. É assustador que tal prática hoje em dia seja algo normal.

Veja, a mãe não tem tempo pra cozinhar (cozinhar não deve ser papel de mãe, mas vamos em frente), mas está grudada no celular. A filha focada na televisão. Não existe diálogo. Ambas poderiam estar na cozinha, preparando alguma coisa quente e deliciosa, buscando uma relação de mãe e filha, mas não, estão ali. O marido e o filho (ambos gordos, diga-se de passagem) chegam na casa e pedem comida. Todos sentados, sem conversar, fixados na televisão, comendo sódio, açúcar e gordura. Deixar de cozinhar e se reunir na cozinha para uma refeição deu a eles tempo de sobra para não se relacionarem.

Portanto Cooked não quer apenas mostrar o quanto comidas pré-prontas são horríveis, mas sim te lembrar do relacionamento humano. Cozinhar não é uma tarefa individual e reuniões de famílias nos lembram disso. Mesmo que apenas uma pessoa cozinhe, sempre existe a discussão de quem fica com a louça suja, quem tira a mesa etc. A comida é apenas a cereja do bolo do relacionamento humano.

Eu sei que parece irresistível você ficar no twitter contando piadas enquanto assiste a um reality show de culinária, mas te garanto que botar a mão na massa pra você mesmo ou sua família é mais recompensador. Pode não ser uma comida como da tv, mas é a sua comida. Bom apetite.

Seja assinante e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 10/06/2019

  • Luide

Beleza Black Mirror, a gente entendeu que tecnologia é uma merda

  • 03/06/2019

  • Luide

Bandidos na TV é o Brasil na Netflix

  • 29/05/2019

  • Luide

Chernobyl é, até o momento, a grande série de 2019