Westworld: fomos criados a imagem e semelhança… do erro?

The Stray (S01E03) segue questionando ao mesmo tempo que amplia os mistérios da série

Luide
Luide
18 de outubro de 2016

É bem provável que daqui há milhões de anos, perto da raça humana se extinguir, ainda estarão discutindo a respeito do milagre da vida. E provavelmente não terão chego a nenhuma conclusão. De fato é algo que perturba a mente humana há milhares de anos. Da filosofia as religiões, da ciência moderna a charlatões, todos querem entender a vida. Porque ela aconteceu, quais foram suas circunstâncias e como, em meio a um universo infinito, ela se mostra presente apenas aqui, nesse pálido ponto azul.

É claro que a fé fornece boas respostas. Um Criador que deu o sopro da vida, nos criou a sua imagem e semelhança, e a promessa de que a morte não é o fim para aqueles que nele acreditam. Para o homem de fé a vida é apenas uma fagulha perto da eternidade da alma. Mas e aqueles que não se contentam com os ensinamentos bíblicos? E não são poucos, a história humana está recheada de insatisfeitos.

A vida na Terra é fruto do erro, de uma série de coincidências astronômicas para em algum momento, algo surgir. Porém ainda mais problemático do que isso, é o surgimento de uma espécie consciente, que não apenas vive, mas tem noções de sua existência. Por enquanto, por mais que você ame os animais, é preciso ter a noção que apenas o ser humano sabe que é um humano. É esse tema que The Stray (S01E03) de Westworld se propõe a debater. Se os Anfitriões já demonstraram um acesso a uma espécie de memória, conseguem improvisar e criam auto interesse, qual o último degrau da pirâmide da consciência?

É preciso olhar The Stray por dois ângulos. O primeiro é justamente esse tema da existência que Westworld segue explorando de uma maneira bastante provocativa, e o segundo trata-se da criação de um mistério que percorre a série. Afinal, que acidente foi esse há 30 anos? Tivemos pistas que Arnold, sócio fundador ao lado de Ford, estava presente e foi um dos responsáveis, o que resultou em sua morte. Note como o episódio explora a dor do Dr. Ford ao mostrá-lo cortando o rosto de um Anfitrião e por duas vezes enfatizando que eles são máquinas.

 The Stray (S01E03)

Essa dor talvez explique algumas coisas e o foco na questão da consciência, aponta para uma situação onde algum Anfitrião desenvolveu vontade própria e isso foi a causa da morte de Arnold. Mesmo que isso já seja especulação suficiente, The Stray ainda aumenta o número de dúvidas, como no caso do Anfitrião lenhador que esculpiu a constelação de Orion e se desgarrou. Westworld vem apostando em algo perigoso. Criar perguntas torna-se complicado se você não puder respondê-las.

Mas com apenas três episódios (todos espetaculares), é covardia acusar Westworld de qualquer coisa. Ainda há muito o que contar, imaginar, especular e descobrir. Faz parte do jogo. Mas o que torna essa série especial são seus momentos de diálogo, as conversas entre criadores e criaturas, tudo que envolve essa fagulha de consciência que começa a surgir entre os anfitriões.

Dolores matou a mosca e puxou o gatilho. Sua vida está nas mãos do erro.

Posts Relacionados
  • 24/01/2017

  • Luide

Essa é a lista definitiva das Melhores Séries Dramáticas disponíveis na Netflix

  • 23/01/2017

  • Luide

O caminho para Valhalla não é o suficiente para Ragnar Lothbrok

  • 19/01/2017

  • Luide

Um sucesso chamado This Is Us