Ainda bem que séries como Westworld existem…

Trompe L'Oeil (S01E07) é Westworld dando tudo de si

Luide
Luide
16 de novembro de 2016

O intelecto humano é como penas no pavão. Somente uma ostentação extravagante

Westworld se propôs a discutir a consciência humana através de seus Anfitriões, e agora em Trompe L’Oeil (S01E07), tivemos a problematização dessa dádiva de sermos seres conscientes. Qual é a cruz que carregamos por temos total noção de nossa própria existência? A ignorância é de fato uma benção?

Em um episódio poderoso que mostra toda a habilidade de Jonathan Nolan como roteirista e estrategista, tivemos uma série de revelações e uma surpresa que certamente fez o espectador pular da cadeira. Westworld se mostra não apenas uma produção grandiosa da HBO, mas um drama de qualidade aberto as mais diversas margens interpretativas. Você simplesmente não se contenta com o que lhe é mostrado, é preciso tentar decifrar cada linha de diálogo.

Para os mais ansiosos por respostas, e que muitas vezes acabam esquecendo do que realmente importa na série, Trompe L’Oeil dá algumas respostas a respeito de Ford, das reais intenções do parque e dos supostos sabotadores, e até mesmo a jornada do Homem de Preto ficou mais clara. Os Anfitriões são mais do que máquinas a serviço de turistas, e os investidores sabem disso. O que nos leva a acreditar que são únicos no universo de Westworld, ou seja, existe uma demanda de inteligência artificial que vale alguns bilhões, que certamente deve ser mais lucrativa e custe menos que um parque nesse tamanho.

Por outro lado, entendemos um pouco mais da visão de Ford sobre o lugar. Ele realmente se porta como um deus, mas longe de abençoar suas criações com o livre-arbítrio. Na sua visão, a consciência humana é um erro, um peso existencial que os Anfitriões não precisam carregar. Se por um lado podemos amar, ter laços afetivos e criar as mais belas obras de arte, por outro, sofremos com o luto, sentimos ódio, ansiedade. É parte do que conhecemos como vida.

Acontece que para Ford, tal dom é inútil perante o universo. Sua comparação com a pena do pavão é inquietante. Do que adianta tamanha beleza, se ele não pode voar e vive comendo insetos na lama? Será que realmente achamos que somos especiais e não passamos de pavões? Bom. Nós somos assim. Nos sentimos superiores porque somos inteligentes e construímos coisas. Dizimamos espécies consideradas inferiores, poluímos o planeta, e mesmo que você não seja alguém assim, quantas vezes menosprezou o próximo pois se achava dono de alguma superioridade, seja ela intelectual ou financeira?

 Trompe L’Oeil (S01E07)

Em Westworld os Anfitriões não precisam disso. Na concepção de Ford, a plenitude da existência está na falta de noção dela. Se não soubermos do verdadeiro caos que é a realidade, estaremos sedados e felizes para sempre.

Que série maravilhosa. Já me faltam palavras para elogiá-la.
Obrigado, Lisa Joy e Jonathan Nolan!

Posts Relacionados
  • 28/10/2016

  • Luide

As conexões da terceira temporada de Black Mirror com o restante da série

  • 27/10/2016

  • Luide

San Junipero e a nostalgia como um lugar de consolo

  • 26/10/2016

  • Luide

Westworld: eram os deuses cientistas?