Você realmente pensa por si mesmo?

The Adversary (S01E06) é mais um prato cheio de interpretações em Westworld

Luide
Luide
10 de novembro de 2016

Como você sabe que não é um de nós?” é a pergunta que Meeve faz a um dos funcionários do parque. “Porque eu nasci, você foi construída“. Esse é um dos diálogos mais importantes em Westworld até aqui. Tudo começa quando Meeve força sua própria morte para acordar novamente no laboratório, o que mostra que seu nível de despertar de consciência está cada vez maior. Porém a pergunta que ela faz para o funcionário é mais complexa do que se pensa, já que antes disso ela dispara com a mais absoluta certeza: “ninguém me obriga a fazer algo que não quero“. A verdade é que compartilhamos com a Anfitriã a mesma falsa ideia de liberdade.

Eu faço o que quero. No final do dia, ao deitar a cabeça no travesseiro, tenho total certeza de minhas escolhas. Mas… será mesmo? O que você define como liberdade? Livre-arbítrio? Em The Adversary (S01E06) vemos que até mesmo as palavras de Meeve, que parecem fluir com uma improvisação natural, já foram pré-programadas. Alguém (nesse caso um engenheiro) já havia preparado o terreno, e tudo que sai da boca da Anfitriã foi pensado antes por alguém. E você não precisa perder mais do que 10 minutos de conversa com qualquer pessoa para notar esse comportamento.

Alguém já pensou, nós apenas respondemos a programação inicial.

Trazendo para o ambiente da internet, não é difícil encontrar amigos em redes sociais que se portam como donos da palavra, convictos do que estão dizendo. Em momentos chaves como por exemplo a eleição de Donald Trump (onde todo mundo tem algo a dizer), vemos o quão pré-programada é a reação de ambos os lados (aquele que é “contra” e o que “torce”). É um show de frases prontas, argumentos repetitivos, até mesmo falsificação de sentimentos como “estou com medo” ou “a salvação do ocidente“. Mesmo que de fato algo ruim aconteça ou o recém presidente eleito salve alguma coisa, o que a pessoa diz e sente no momento tem pouca ou quase nenhuma verdade aplicada.

 The Adversary (S01E06)

Mas essa é uma atitude acolhedora. Você passa a pensar como determinado grupo e se sente protegido por aqueles que pensam igual. Aos poucos você deixa de lado suas próprias vontades para responder a essa programação. No caso de Meeve ela não tem escolha, já que foi concebida assim. Por isso no final do episódio quando ela pede que sua “apercepção geral” seja elevada ao máximo, finalmente ela poderá descobrir a plenitude da liberdade. Do pensar.

Agora como isso pode acontecer com você? Como fugir de uma pré-programação de pensamento e atitude? Difícil. Mesmo se eu soubesse e te desse uma fórmula, estaria fazendo o mesmo que um programador. É um ciclo sem saída. É aceitar que sofremos influências por todos os lados, mas escolhemos aquelas que melhores se encaixam em nosso padrão de vida. E que ser livre é saber dos limites da liberdade.

The Adversary deixa algumas respostas sobre quem conspira contra o parque, os segredos de Ford, o labirinto. Westworld é uma incrível série de ficção científica e porque não, boas doses de suspense. É grandiosa, prende o espectador pela beleza, pelo elenco incrível, os mistérios. Mas o que Jonathan Nolan e Lisa Joy fazem de melhor são os infinitos debates sobre ser e existir. E é isso que vem tornando essa série uma das melhores de 2016, e sem dúvidas, a melhor estreia do ano.

Posts Relacionados
  • 21/02/2017

  • Luide

Jesse Pinkman e Mike: a história de uma amizade que transcendeu Breaking Bad

  • 20/02/2017

  • Luide

A conservadora e progressista proposta de Chef’s Table

  • 10/02/2017

  • Luide

E lá vem a Netflix com mais uma ótima série documental…