A Tartaruga Vermelha é um filme pra se guardar pra sempre no coração

Uma obra prima que o cinema deu vida em 2016

Luide
Luide
13 de dezembro de 2016

Se A Chegada é o grande filme indispensável de 2016, A Tartaruga Vermelha é sem dúvidas aquele que mais carrega sentimentos. E tudo isso sem dizer uma única palavra. A animação dirigida pelo holandês Michael Dudok de Wit, e produzida na França com co-produção do Studio Ghibli, foi ovacionada em Cannes e aplaudida em pé pela plateia.

Sem diálogos ao longo de seus 80 minutos de duração, A Tartaruga Vermelha é uma experiência sensorial imersiva, dotada de uma sensibilidade que praticamente sumiu aos olhos do cinema contemporâneo ocidental. É o tipo de leveza que o Studio Ghibli sempre demostrou conhecer muito bem. Sem dúvidas, é uma obra de arte que irá encantar aqueles que estiverem prontos para guardar uma doce recordação no coração.

A trama é simples, porém bastante imaginativa, o que cria um ótimo universo de possibilidades. Sem explicar como, quando e porquê, os eventos que se sucedem precisam apenas da sua compreensão para seguirem seu ritmo. Um homem chega a uma ilha deserta após algum naufrágio (o filme não mostra o que aconteceu), e depois de algumas tentativas de sair da ilha, é surpreendido por uma tartaruga vermelha. A partir daí o filme abre mão do real e assume uma mistura de fantasia.

A Tartaruga Vermelha é uma amostra perfeita de tudo aquilo que o cinema representa. Com sons e imagens somos imersos em uma viagem única, de uma beleza estonteante, enquanto contemplamos a vida, a natureza e o homem. Despido de qualquer urgência maior do que apenas viver, A Tartaruga Vermelha propõe um cenário onde apenas aquilo que importa é deixado aos nossos pés. É o tipo de obra prima que causa os mais diversos tipos de reações.

São 80 minutos de ausência de diálogos que diz muito mais que 90% dos filmes lançados em 2016. A Tartaruga Vermelha é poderosa por ser simples.

 La tortue rouge (2016)

Simples em sua ideia, mas que é tão difícil de ser discutida sem parecer moralista. O homem moderno assolado pelo consumismo e o imediatismo, que acaba perdendo sua própria humanidade. É o que se debate muito ultimamente graças a neurose com os excessos da tecnologia, porém A Tartaruga Vermelha vai por outros caminhos, menos óbvios, e o resultado é de uma delicadeza e inteligência únicas.

Oficialmente o filme chega ao circuito nacional em fevereiro de 2017, mas já passou por diversos festivais e eventos e está disponível em blu-ray. Como sempre, a forma como alguns filmes não comerciais são tratados no Brasil abre essa janela longa de espera.

Mas tudo bem, assista como e quando puder. E guarde pra sempre no seu coração.

Posts Relacionados
  • 19/03/2017

  • Luide

Pecado é não assistir Silêncio

  • 16/03/2017

  • Luide

Get Out, filme que mistura terror e racismo, é “politicamente incorreto”

  • 12/03/2017

  • Luide

A estranha relação entre o fã e aquilo que ele gosta