Novo filme de Martin Scorsese e Leonardo DiCaprio será sobre a criação do FBI

O extermínio de uma tribo indígena que resultou na criação do FBI.

Luide
Luide
14 de julho de 2017

Depois de uma parceria que durou décadas, Martin Scorsese deixou Robert De Niro de lado por alguns anos, e resolveu apostar em Leonardo DiCaprio. Cinco filmes foram feitos então: Gangues de Nova York, O Aviador, Os Infiltrados, Ilha do Medo e O Lobo de Wall Street.

Veio uma pausa com Silêncio. Mas já no próximo ano, The Irishman retorna a parceira de Scorsese com De Niro, e já na sequência com DiCaprio.

A notícia da Variety confirmando o sexto filme da dobradinha Scorse/DiCaprio mostra, inclusive, que o projeto já está em desenvolvimento. No início do ano, o Deadline comentou que o próprio De Niro estaria em negociações para participar, o que marcaria o primeiro encontro dos “musos” de Scorsese em um mesmo filme do diretor.

A trama será baseada no livro Killers of the Flower Moon: The Osage Murders and the Birth of the FBI (os Assassinatos de Osage e o Nascimento do FBI), best-seller de David Grann.

Em 1894 uma gigantesca reserva de petróleo foi descoberta nas terras da nação Osage. Tamanha era a quantidade que alguns consideravam a tribo como “as pessoas mais ricas da terra” e os chamavam de “os milionários vermelhos“. Na década de 20, os Osage já moravam em mansões. Porém, tanta riqueza resultou em mais um extermínio, em uma escala tão grande, que a investigação desses assassinatos resultou na criação do FBI, que até então era apenas um “Departamento de Investigações”.

Martin Scorsese já está procurando por locações em Oklahoma, local de origem dos Osage, e deve começar as filmagens assim que encerrar as de The Irishman.

Posts Relacionados
  • 17/07/2017

  • Luide

O que mais poderá ser feito depois de Vingadores: Guerra Infinita?

  • 17/07/2017

  • Luide

Quais as melhores salas de cinema no Brasil para assistir a Dunkirk, novo filme de Christopher Nolan

  • 13/07/2017

  • Luide

Christopher Nolan: “Quem se importa com a Netflix? É nada mais que uma moda”