Netflix responde sobre dívida de US$ 20 bilhões na voadora: “nossas ações valem US$ 75 bilhões”

Na verdade ela "só" deve US$ 4,5 bilhões

Luide
Luide
1 de agosto de 2017

Começou em 2012 quando a primeira temporada de Lilyhammer estreou na Netflix, e aquela seria a primeira série a receber o carimbo de “original“. Menos de três anos depois, em 2015, o serviço de streaming anunciava a quantia de US$ 5 bilhões apenas para produzir mais e mais conteúdos. Era uma locomotiva aparentemente sem freio, e em 2016, a cada duas semanas, pelo menos uma temporada de série, filme ou documentário estreava na Netflix. Só que a conta começou a não fechar, e em 2017 veio o baque.

Os recentes cancelamentos ligaram o alerta na mídia, que resolveu tentar entender melhor porque tanta série estava sendo descontinuada (o irônico é que isso acontece o tempo todo nas emissoras convencionais, mas pouco se fala). O LA Times foi atrás dos números, em uma matéria que repercutiu bastante nos últimos dias, onde afirmava que a Netflix havia acumulado uma dívida de US$ 20 bilhões para conseguir dar conta de tanto conteúdo.

O valor chama atenção, e pensando nos últimos acordos da empresa, daria pra imaginar algo assim. Só para Martin Scorsese fazer seu novo trabalho com Robert De Niro e Al Pacino, a Netflix liberou US$ 100 milhões. Filme de guerra com Brad Pitt? US$ 60 milhões. Adaptação de Death Note? US$ 50 milhões. E por aí vai.

E depois de tanto falatório, a Netflix resolveu se pronunciar a respeito. Leia:

A matéria do LA Times calcula erroneamente nossa dívida com o valor de US$ 20 bilhões ao considerar nossas obrigações de transmissão (por exemplo, contratos de conteúdo com estúdios), no valor de US$ 15,7 bilhões, como parte dessa dívida, o que não procede. Temos uma dívida total bruta de US$ 4,8 bilhões versus o nosso valor no mercado de ações que é de US$ 75 bilhões. O LA Times já corrigiu a matéria.

Contextualizando, os US$15,7 bilhões são referentes à gastos futuros com conteúdos que trarão resultados ao longo do tempo. Todos os canais de televisão aberta e a cabo, além de serviços de streaming, têm contratos de licenciamento e utilizam a mesma estrutura. Como referência, Disney/ESPN tem US$49 bilhões em compromissos similares para contratos relacionados a esportes.

Se você não prestou atenção na voadora, destacamos o trecho pra você:

“Temos uma dívida total bruta de US$ 4,8 bilhões versus o nosso valor no mercado de ações que é de US$ 75 bilhões”

Enquanto isso… a Netflix chega a 104 milhões de assinantes no mundo todo, 25% a mais em comparação a 2016.

Posts Relacionados
  • 30/11/2016

  • Luide

Como funciona o download de filmes e séries na versão offline da Netflix

  • 21/11/2016

  • Luide

Os grandes nomes das séries estão voltando para a TV

  • 18/11/2016

  • Luide

Westworld é vista semanalmente por 11 milhões de pessoas