Não vão parar de fazer Velozes & Furiosos só porque você não gosta

Let it go...

Luide
Luide
17 de abril de 2017

Eu nunca assisti a um filme sequer da franquia Velozes & Furiosos. Quando o primeiro estreou lá em 2001, com aquela pegada de tuning e corridas de carros, meus amigos pré-adolescentes foram ao delírio. Se até hoje com quase 30 pouco me interesso por carros (só vendo a placa do Uber pra saber qual é o meu), imagine quando nem eu sonho eu teria grana pra comprar um. Foi um sucesso quando o primeiro VHS que chegou no interior.

Velozes & Furiosos ajudou a consolidar essa cultura dos carros rebaixados, tunados e campeonatos de som automotivo com mulheres dançando em cima das caixas de som. Foi um life style que já teve seu auge, principalmente se você for da área que vem do Mato Grosso do Sul, passa pelo interior de São Paulo, cai pro Paraná e chega em Santa Catarina. Muitos, mas muitos eventos do tipo rolaram.

Diga não as drogas, rebaixe seu carro.

Mas esse espírito rebelde de “carro rebaixado não é crime” e fanpages dedicadas ao “esporte” meio que foi se perdendo ao avançar da franquia V&F, e hoje, não precisa assistir ao filme para saber qual é intenção: promover um verdadeiro cinema de super herói com carros ao invés do Batman e Homem de Ferro. Como o Judão fala nesse vídeo, porque não encarar assim a franquia? Se você aceita que o Thor pode sair na porrada com o Hulk em outro planeta, porque não aceitar que o Vin Diesel pode atravessar dois prédios em Dubai com um carro? Talvez ele realmente possa…

Se um dia Velozes & Furiosos tentou emular a realidade das ruas, dessa coisa underground de gastar rios de dinheiro pra tunar o uninho, hoje o filme abraça o impossível e a galhofa. E o sucesso da franquia mostra essa mudança de tom foi a melhor possível. Os números do box office falam por si só.

Velozes 8 Furiosos 8 arrecadou US$ 532,55 milhões em seu primeiro fim de semana, o que o torna a maior abertura da história do cinema.


Tanta grana, mas tanta grana, garantiu Velozes & Furiosos até a próxima década. A Universal confirmou o nono filme para abril de 2019, e o décimo para abril de 2021. Cinema é (ou deveria ser) arte antes de tudo, mas também é entretenimento e negócios.

É isso. Vá em busca de novos inimigos, essa batalha você perdeu.

Posts Relacionados
  • 03/03/2017

  • Luide

Que nossos filhos sejam melhores. Sempre

  • 27/02/2017

  • Luide

Moonlight, vencedor do Oscar, chega em Maio na Netflix

  • 24/02/2017

  • Luide

Você provavelmente foi enganado pelo “documentário” Faces da Morte