Five Came Back é o que podemos chamar de “mais um acerto Netflix”

Quando o cinema entra pra guerra

Luide
Luide
17 de abril de 2017

A Netflix vem ostentando um catálogo variado e ao mesmo tempo de altos e baixos. House Of Cards e Stranger Things dividem espaço com filmes infinitos do Adam Sandler. É praticamente a programação de uma TV a cabo, tem gosto pra tudo, tem conteúdo pra todos. O estranho é saber que, apesar do grande hype em cima de suas produções originais, pouco se fala sobre aquilo que o serviço de streaming vem produzindo de melhor nos últimos anos: as séries documentais.

Esse site já cansou de falar e recomendar Chef’s Table e Cooked, e mais recentemente Abstract: The Art of Design. Séries que ao lado de Making A Murderer, formam uma frente de qualidade indiscutível da Netflix e do que ela pode fazer. E quem chega pra se juntar a esse panteão de boas produções é Five Came Back, com mais um tema pra lá de interessante e que graças as tensões geopolíticas, é tão atual quanto a época que retrata.

Cinema e propaganda de guerra se misturam

Durante a Segunda Guerra Mundial, cinco renomados diretores de Hollywood foram recrutados pelo exército americano para registrarem o conflito sob uma perspectivava patriota e ajudar os Aliados a vencer no front da propaganda. Foram eles: William Wyler, Frank Capra, George Stevens, John Ford e John Huston. São três episódios com pouco mais de uma hora de duração.

Dirigida pelo francês Laurent Bouzereau, o documentário convida outros cinco diretores para comentar cada ato dos convocados. Steven Spielberg fala sobre William Wyler, Guillermo Del Toro de Frank CapraLawrence Kasdan de George StevensPaul Greengrass de John FordFrancis Ford Coppola de John Huston. Pra fechar, ainda temos Meryl Streep com narração em off. Hollywood total.

Five Came Back pode flertar com mais um típico documentário sobre a Segunda Guerra Mundial colocando os EUA como grandes heróis intocáveis e incorruptíveis, porém, a narrativa evolui do ponto patriota e até mesmo heroico do pós Pearl Harbor até os horrores e traumas do fim do conflito. A Guerra não tem nada de romântica, e coube a esse diretores, especialistas em inventar histórias e controlar os sentimentos do público, levá-la até os civis.

O que o povo irá consumir da Guerra? Como motivar e plantar ideais?

Somente na base da propaganda, e essa foi a missão desses cinco diretores, agora, também soldados. É interessante notar como esses homens aplicaram durante o maior conflito armado da história, técnicas de cinema, tornando assim a investigação de Five Came Back obrigatória para fãs da sétima arte. Da forma como cada diretor lidou com a guerra, até mesmo a manipulação pura e direta de fatos, o documentário não deixa de questionar o controle de informações para as massas mesmo que para um “bem maior”.

“Todo filme de guerra é anti-guerra”

Five Came Back não só oferece uma uma aula de história da Segunda Guerra por uma nova via, no caso o uso do cinema, como também mostra como a arte não deixa de ser fruto direto de seu tempo. O trauma de guerra que seria tema de vários outros filmes que viriam a seguir, também deixou marca nesses diretores, e como também através da arte, puderam expor o que sentiam. Nesse aspecto Five Came Back é poderosa.

Mais uma pra conta da Netflix. Assista.

Posts Relacionados
  • 11/11/2016

  • Luide

Documentário Beware the Slenderman da HBO narra crime real baseado na lenda

  • 20/10/2016

  • Luide

A cientologia e o adestramento de seres humanos

  • 10/10/2016

  • Luide

A 13ª Emenda: documentário mostra a falência do sistema prisional americano