As 7 Melhores Séries de 2016

É hora de passar a régua nesse ano que já se vai... (ou já se foi)

Luide
Luide
23 de dezembro de 2016

2016 foi um ano onde, mais do que nunca, você precisou pensar bem antes de dar o play. Além das dezenas de lançamentos, os serviços de streaming em pleno vapor produzindo, e claro, muita, mas muita série mediocre ganhando destaque, perder seu tempo com qualquer coisa não é uma opção. Aqui no Amigos do Fórum nossa missão é tentar filtrar o máximo possível e te ajudar a escolher algo realmente bom pra assistir, que irá agregar algo em sua vida, uma pequena lição que seja.

Na realidade, essa é a grande obsessão desse site. Encontrar algo a mais que puro entretenimento, e tentar passar isso para o leitor. Reviews semanais, textos todo santo dia, tudo pra fornecer um melhor entendimento, tanto pra esse que vos escreve, quanto para quem lê. Quem acompanhou o site ao longo do ano já sabe quais serão as séries listadas abaixo, mas caso seja sua primeira vez aqui, vamos explicar como funciona.

Uma lista é sempre uma lista: tem cunho 100% pessoal e leva em conta apenas a opinião de quem a faz. Seu dever é discordar. No Amigos do Fórum a tradicional lista das “7 Melhores Séries do Ano” é criada pensando unicamente na temporada exibida completa. Ou seja, séries incríveis como This Is Us não ganham lugar, já que ela ainda tem episódios para encerrar seu primeiro ano. Isso é importante também para definirmos os lugares das respectivas séries. Se por exemplo, uma série fez sua melhor temporada esse ano, e dentro do contexto geral da obra, foi um grande momento, talvez ela ganhe um lugar de destaque maior.

No final de tudo é apenas uma lista, baseada nas minhas próprias experiências imersivas. Mas antes, algumas menções honrosas.

Cooked

Se a lista fosse “Séries Mais Importantes de 2016Cooked estaria no topo. Como já falei aqui, não é simplesmente uma série documental pra falar de comida saudável, é pra mudar vidas. Cooked promove reencontros e redescobertas. Dificilmente você sai o mesmo depois dos quatro maravilhosos episódios. É pra ver e por em prática na vida. Cooked é a melhor coisa feita pra televisão em 2016 de um modo geral.

Obrigado por me lembrar, Cooked!

Chef’s Table: França

A segunda temporada de Chef’s Table é boa, mas Chef’s Table: França é excelente. Uma viagem pela França que é pura magia e poesia. David Gelb criando aquela que é a obra mais criativa da Netflix.

O piloto de This Is Us

Como já dito, This Is Us ainda não fechou uma temporada completa, mas é impossível falar sobre séries de 2016 e não citar esse que é o melhor piloto do ano. É simplesmente arrebatador, um choque de calor no coração. Quem não chorou vendo esse piloto pode ir pagando o plano funerário em 2017 pois já morreu por dentro.

The Americans, a quarta temporada

Mais uma temporada sólida e bem construída de The Americans. Um dos poucos bons dramas de qualidade fora do circuito conhecido de Netflix/HBO.

San Junipero

Black Mirror não fez uma temporada ruim na Netflix, porém passou longe da genialidade dos primeiros episódios. Mas um entre os seis novos merece menção: San Junipero tem tudo aquilo que Black Mirror nos ensinou a gostar, é extremamente perturbador, mesmo que o suposto final feliz ainda engane muita gente.

“We’ll make heaven a place on earth
Ooh, heaven is a place on earth”

Fim das menções. Vamos ao que interessa:

The Night Of

A série que começou com um pouco de nostalgia e saudade, já que o grande James Gandolfini era um dos nomes por trás da produção, e também estaria no elenco. Ainda bem que The Night Of honrou seu nome e mostrou que a HBO ainda está no jogo. Ótima produção que possuiu aquela que hoje é uma das qualidades que mais admiro (e que será decisiva pra eleger a melhor série do ano): a coragem de contar sua história no tempo, no seu ritmo, do seu jeito. Steven Zaillian criou uma atmosfera de dúvidas e incertezas ao longo dos 8 episódios, enquanto discutiu até onde um ser humano pode chegar sem se quebrar.

House Of Cards, a quarta temporada

Que bom ver House Of Cards de volta na lista, em uma quarta temporada que lembrou daquilo que ela tem de melhor: seus dois protagonistas. O embate entre Frank e Claire só não foi melhor que a união entre Frank e Claire. Com episódios memoráveis dirigidos por Robin Wright, House Of Cards já dava sinais de cansaço, mas conseguiu recuperar o fôlego nesse ano. E que venha a guerra.

Stranger Things, a primeira temporada

A Netflix sem querer deu vida a um dos maiores fenômenos pops de 2016. Se fizermos um apanhadão de quais os grandes personagens desse ano, é bem certo que Eleven estará no meio. Uma série leve e cômica que foi uma verdadeira ode a amizade. Nada melhor que lembrar os adultos o quão mágico e incrível pode ser um amigo, e que por ele, vale a pena lutar.

The People v. O.J. Simpson: American Crime Story

Que série. Que obra. Que história. É tão surreal que nem mesmo o mais imaginativo autor conseguiria criar um roteiro assim. ACS é de um conteúdo tão poderoso, que é preciso pausar e respirar um pouco em meio a tantos temas jogados na cara do espectador. O sistema judiciário pode não funcionar, mas existem vários outros fatores humanos que também precisam entrar nos eixos. Obra fantástica.

Game Of Thrones, a sexta temporada

Como deixar a série que deu vida a Batalha dos Bastardos em terceiro lugar? Eu sei, pode parecer maluquice de minha parte, mas acredite, reconheço que Game Of Thrones não fez uma temporada em 2016, fez história. Daqui há 50 anos ainda irão se lembrar do episódio em que Jon Snow empunhou sua espada contra uma muralha de cavaleiros. Um sexto ano importante para aquilo que a série se propôs a ser. Agora com suas próprias asas, Game Of Thrones pode voar para seu final igual Drogon rumo a Westeros.

Westworld, a primeira temporada

Se você assistiu a Westworld e nenhuma vez se questionou sobre os temas ali abordados (memória, rotina, violência, perda da humanidade, existência), assistiu a série errada. Ok, teve ótimos plot-twists, mas não era isso o principal conteúdo dessa obra inacreditável da HBOJonathan Nolan e Lisa Joy transcenderam sua obra para o além dos créditos.

Espera. Mas não foi aqui no Amigos do Fórum que você leu que Westworld era a melhor série de 2016? Porque ela está em segundo na lista? Bom, porque essa lista de “melhores” na realidade é uma lista de “favoritos”. E nenhuma outra série despertou tantas paixões em mim esse ano quanto…

Mr. Robot, a segunda temporada

Coragem. É isso que define Sam Esmail em 2016. Jogando contra todas as regras da televisão, ele dedicou uma temporada a dissecar a mente perturbada de Elliot. Experimentou outros formatos e gêneros dentro de sua própria série. Foi lá e fez: escreveu e dirigiu sua própria criação. E esse apelo autoral explodiu na tela durante os 12 episódios. É óbvio que esse segundo ano “escorregou” na sua reta final, mas… será mesmo? Será que foi essa a intenção de seu autor? O plot principal iniciado lá na primeira temporada pouco foi explorada, a história nada andou.

Mas em compensação tivemos momentos memoráveis, como a perturbadora família de Elliot parodiada em uma sitcom, os momentos que beiravam um filme de terror, as sequências de ação, as analogias, os questionamentos. Me desculpem quem odiou ou saiu insatisfeito, mas para o Amigos do Fórum, a melhor série de 2016 é Mr. Robot.

Enfim.
Gostou? Odiou? Faça o que tem que ser feito: comente.

Nos vemos em 2017. Foi um prazer assistir com vocês.

Posts Relacionados
  • 21/02/2017

  • Luide

Jesse Pinkman e Mike: a história de uma amizade que transcendeu Breaking Bad

  • 20/02/2017

  • Luide

A conservadora e progressista proposta de Chef’s Table

  • 10/02/2017

  • Luide

E lá vem a Netflix com mais uma ótima série documental…