Acima de tudo, Mindhunter é um estudo sobre Holden Ford

Holden Ford e suas obsessões.

Luide
Luide
31 de outubro de 2017

Uma forma de analisar o quão bem sucedida uma temporada de série foi é analisando a trajetória de seus personagens, e fazendo a comparação básica entre o primeiro e último episódio. A trama precisa evoluir, claro, mas antes de tudo está o elemento humano. Após serem expostos aos acontecimentos que preenchem a temporada, o que isso reflete em seu comportamento? Em alguns casos ele pode ser lento (Walter White) ou acelerado, como Holden Ford em Mindhunter, provando que acima de tudo, a série de Joe Penhall é sobre ele.

Holden nos é apresentado como um sujeito inseguro até certo ponto, tímido e de uma natureza calma. É importante que ele seja assim para que nossa percepção de Mindhunter evolua com o passar dos episódios. Sua curiosidade se torna a nossa, e as investigações nos levam para aquele universo de psicopatas e tragédias. Como o agente do FBI irá reagir diante disso tudo é o que importa no fim das contas: os assassinos já estão sepultados e não tem mais para onde ir, já Holden Ford é quem sofrerá o impacto desse contato.

E ao final dessa primeira temporadas bastante sólida, fica clara que lidar com o pior do ser humano deixa sequelas. Apesar de Holden ser um estudioso do comportamento humano, sua capacidade de lidar consigo é inexistente. Isso é fruto de sua obsessão, um tema recorrente em séries, mas sempre retratado por diferentes ângulos. Aliás, praticamente todos os grandes protagonistas dos dramas, os chamados “Homens Difíceis”, são baseados nessa ideia da obsessão e suas consequências na vida pessoal. Identificar nossas próprias obsessões e o quanto elas interferem em nossa vida não é algo fácil. Geralmente é um parente próximo ou alguém que estamos nos relacionando. O cheiro da merda só fica claro quando está bastante podre. O início de um alcoolismo, trabalho excessivo, e por ai vai.

Mindhunter pontua muito bem cada momento decisivo que seu protagonista passou para, enfim, perceber como seu estado psicológico se debilitou durante seu trabalho. O encontro com psicopatas e a sua empatia por eles (no sentido de procurar entender o contexto daqueles assassinatos, e se é que existem), sua posição no trabalho e qualidades profissionais sempre sendo contestadas, e por fim, seu relacionamento baseado no que sua namorada por fazer por ele, não no que um pode fazer pelo outro. Para adicionar ainda mais, Holden se deslumbrou pelo que estava realizando, e na primeira oportunidade de reconhecimento, encontrou legitimidade para agir como agiu diante dos agentes que o investigavam.

No fim das contas, ele não consegue mais encontrar uma linha que divide sua vida pessoal e profissional, algo que Bill Tench, seu parceiro, o alertou constantemente (e se viu obrigado a fazer para não implodir sua família).

Mindhunter é sobre Holden Ford e suas obsessões e, em segundo plano, o estudo de serial killers. É por isso que é tão boa e de longe o melhor drama para a Netflix em 2017.

Seja doador e ajude o Amigos do Fórum a seguir crescendo!
Posts Relacionados
  • 13/11/2017

  • Luide

Mr. Robot em mais um de seus episódios memoráveis

  • 06/11/2017

  • Luide

O tipo de série que você está cada vez vendo menos

  • 06/11/2017

  • Luide

Sem a nostalgia, o que sobra para Stranger Things?