E quando falarem de 2014, qual filme você irá se lembrar?

Já que o ano está acabando, vamos falar sobre os grandes filmes de 2014?

19 de dezembro de 2014

Saio de 2014 satisfeito com o que vi nos cinemas. Quando o relógio marcar 23:59 do dia 31 de dezembro, passarei a me lembrar com carinho de um ano bem divertido e cheio de surpresas. Alguns deles inclusive, se tornam um marco e entram de vez pra história da cultura pop. Não querendo fazer uma lista dos Melhores Filmes de 2014 (até porque essa lista sai na semana que vem), mas apenas relembrando e dando uma geral em 2014 no que se refere a cinema.

Antes de continuar, de play no Awesome Mix Vol. 1 

2014 foi um ano de testes, remakes, reboots e super heróis. Já de começo, foi a vez de um dos personagens mais icônicos da cultura pop ganhar nova roupagem, dessa vez pelas mãos do diretor brasileiro José Padilha. “Robocop” estreou e talvez seja um dos filmes que mais dividiu opiniões nesse glorioso ano. É claro que manter o espírito do filme de 87 era uma missão impossível, mas Padilha fez um trabalho justo, mas como disse no review, na era dos smartphones que se tornam antiquados a cada ano, seria difícil até mesmo para o Robocop se manter no imaginário dessa nova geração.


Apresentar um personagem a novas gerações… foi nesse embalo que muitos filmes chegaram em 2014. De um lado, o divertíssimo “Tartarugas Ninja“, que com uma excelente tecnologia de captura de movimentos conseguiu dar vida as tartarutas mais robustas que já se viu. É um filme despretensioso que faz rir e entrega a diversão necessária. Nas mãos da Nickelodeon as Tartarugas voltaram mais uma vez as prateleiras de lojas de brinquedos. E se esgotaram rápido também.

Já outros clássicos morreram na praia ao tentar se apresentar ao um novo público. “Cavaleiros do Zodíaco – A Lenda do Santuário” é um verdadeiro insulto a obra de Kurumada. O filme foi ousado ao tentar contar a história das 12 Casas do Zodíaco em cerca de 2hrs, mas falhou miseralvemente ao criar uma história genérica, sem respeito algum aos fãs antigos e ainda por cima, não mostrar nada de novo pra molecada. Foi, de fato, a maior decepção do ano.

Agora quando se trata em respeito as origens, dois filmes cumpriram seu papel: “Godzilla” e “Planeta dos Macacos – O Confroto“. Se o pobre Godzilla aparece por quase 8 minutos durante o filme todo é um detalhe que jamais iremos perdoar, mas o filme conseguiu agradar boa parte do público, principalmente pela aparência do monstro. Já “Planeta dos Macacos” é simplesmente uma das melhores coisas do cinema esse ano, um filmes fantástico que coloca muitas cartas na mesa para se discutir.

Planeta dos Macacos: O Confronto“: Será que algum dia Andy Serkis será indicado ao Oscar?

César foi um herói no ano dos super heróis. Nada mais, nada menos que SEIS adaptações. Se o Espetacular Homem Aranha não foi tão espetacular quanto os fãs queriam, e Bryan Singer resolveu todos os furos dos X-Men com uma viagem no tempo, nas mãos da Marvel dois filmes entram de vez em qualquer lista de Melhores do Ano. O poderoso Capitão América 2 e simplesmente o filme mais incrível de 2014: Os Guardiões da Galáxia.

Enquanto Capitão América dava um novo tom aos filmes do estúdio, mais sério, do outro lado, o guaxinim com um trabuco no ombro de uma árvore falante mostrava que uma comédia de super heróis é muito bem vinda. “Guardiões da Galáxia” deixou pra trás até mesmo o Cabeça de Teia em bilheteria. Um dos tiros mais certos da Marvel, que irá permitir que novos personagens desconhecidos do grande público ganhem seus filmes.

O filme de 2014, aceitem

Em 2014 também tivemos os guerreiros bíblicos, viagens de Nolan e uma espetacular Garota Exemplar. Nos despedimos da Terra Média e ouvimos o outro lado de certas histórias. Foi um bom ano para se ter um balde de pipoca como companheiro. Viva a sétima arte e porque não, viva os blockbusters que tanto nos divertem. Que 2015 seja lembrando por muito, muito mais!

“Deixa comigo, toca po pai”: George R. R. Martin quer exibir “A Entrevista” em seu cinema

BICHA, A SENHORA É DESTRUIDORA MESMO

19 de dezembro de 2014

George R. R. Martin está disposto a tudo nesse mundo, menos de terminar o sexto livro de “As Crônicas de Gelo e Fogo“. A última do gordinho foi oferecer a seu cinema a Sony para exibição de “A Entrevista“, classificando a decisão do estúdio como “covardia corporativa“.  ”O Jean Cocteau Cinema ficará feliz em exibir A Entrevista“, disse George.

George postou lá no seu blog pessoal a indignação do estúdio em recuar após ameaças terroristas.

Toca po pai” – George R. R. Martin

Como você sabe, a Sony sofreu um poderoso ataque hacker que culminou em dezenas de emails sigilosos expostos (um deles já comentei aqui, foi das negociações com a Marvel). O ataque foi motivado pelo filme “A Entrevista“, comédia com  Seth Rogen e James Franco onde eles matam o ditador norte coreano Kim Jong-un.

Às vésperas da pré estréia, o suposto grupo terrorista aumentou o tom dos discursos, dizendo que se o filme fosse exibido nos cinemas, era para os EUA se prepararem para algo da dimensão de 11 de Setembro. Com medo, algumas redes de cinemas foram se pronunciando a respeito, dizendo que o filme não entraria em cartaz em suas salas. Depois disso, a Sony finalmente resolveu cancelar a estréia, inclusive no Brasil.

George R. R. Martin que entende muito bem de mortes, resolveu ceder seu cinema para a exibição do filme. Além de chamar a Sony de covarde, ele lembrou de Charlie Chaplin e o filme “O Grande Ditador“, lançado em 1940 em meio a Segunda Guerra: “Se Kim Jong-Un os assusta, Adolf Hitler os faria cagar na roupa de baixo”.

GEORGE MAIS LOCO QUE O BATMAN

Better Call Saul: série ganha primeiras imagens oficiais do elenco

Série estréia lá fora dia 8 de fevereiro

18 de dezembro de 2014

O ano vai acabando, a estréia de “Better Call Saul” se aproxima, e com isso novas imagens e vídeos promocionais começam a pipocar. Depois do primeiro poster, é hora do elenco da série ganhar imagens oficiais. O spin-off de “Breaking Bad” contará o começo de carreira do advogado Saul, anos antes dele conhecer Mr. White e acabar com sua vida (assim como todos aqueles que rodearam nosso querido professor traficante).

Rostos conhecidos se misturam com novos, se liga:

Bob Odenkirk : é melhor ligar para o Saul


De cima pra baixo, da esquerda pra direita: Jonathan Banks retorna como MikeMichael McKean será Chuck, irmão de SaulPatrick Fabian erá Hamlin e Rhea Seehorn viverá Kim

ANSIOSOS?

“Noé” e “Êxodo”: a bíblia nos cinemas em 2014

Darren Aronofsky e Ridley Scott mostram suas visões do Velho Testamento

17 de dezembro de 2014

O Antigo Testamento. Um conjunto de 46 livros que narram o relacionamento de Deus e seu povo muito antes da chegada de Cristo. Da criação do mundo, ao exôdo dos hebreus do Egito. A série de histórias e narrativas, nos mostra um Deus guerreiro, vingativo e pronto pra aniquilar qualquer um que não siga de acordo com seus caminhos justos. E é entre esses 46 livros que dois personagens ganharam suas versões blockbusters em 2014.

Na era dos “personagens possíveis”, lendas bíblicas se tornam GUERREIROS BADASS

Noé e Moisés, dois personagens bíblicos que nas mãos de dois diretores consagrados tiveram suas histórias recontadas, mas ambas de maneiras tão diferentes que não parecem terem saído do mesmo livro. Enquanto Darren Aronofsky preferiu contar a sua maneira, Ridley Scott transformou Moisés em seu Gladidor. E em 2014, ambos os filmes mostraram que a bíblia pode oferecer bons blockbusters baseados em seus personagens clássicos, assim como a Marvel e a DC vem fazendo…

Êxodo: Deuses e Reis” que chega aos cinemas brasileiros nesse natal, mostra de uma maneira épica e grandiosa a vida de Moisés, o libertador do povo hebreu. Com Christian Bale como protagonista e Ridley Scott na direção, era difícil se esperar outra coisa do filme: Moisés é um guerreiro forte e respeitado no Egito. Criado ao lado do filho do Faraó, Ramses, ele é o comandante das tropas. É difícil não enxergar um pouco de Gladiador nesse roteiro, com certas coisas pontuais acontecendo, Moisés é um Maximus Decimus Meridius de Jeová.

Ridley Scott e Bale em “Êxodo”

É um filme que mostra exatamente o que as pessoas querem ver quando se trata de um filme bíblico, totalmente diferente de “Noé” do Aronofsky, filme corajoso que pra mim é um dos melhores blockbusters do ano. Em “Êxodo“, Moisés aceitas as ordens divinas mesmo questionando a humanidade delas. Já Noé é vivido por Russell Crowe (o verdadeiro Gladiador) é um transtornado religioso, um típico pastor que se coloca como mártire de Deus, pronto para realizar todas as suas vontades em nome de algo maior.

Se Ridley Scott mostra que os fiéis a Deus irão triunfar, Aronofksy faz um verdadeiro ensaio sobre ateísmo em “Noé“. É nesse filme que uma das melhores cenas do cinema em 2014 acontece. Nada que mereça entrar na história do cinema, mas sim a coragem do diretor de ilustrar os Dias Criativos de Deus a maneira que a ciência acredita: evolução. É claro, existe um singelo corte na sequência, quando o primata estava prestes a evoluir e se tornar nosso ancestral, mas nem tudo são flores.

O homem veio do barro, como todos nós sabemos… Aliás, vi esse filme ao lado de duas senhoras que saíram do cinema após essa cena: “onde já se viu, foi Deus que fez tudo” disseram.

Aronofsky e Crowe

Agora é esperar que novas adaptações bíblicas venham até nós, na era dos “personagens possíveis” (maldito Nolan). Teremos cada vez mais ícones do Antigo ou Novo testamento colocados em um patamar mais um humano, para que as pessoas se sintam ainda mais próximas de seus “ídolos”.

O saldo em 2014 foi positivo para todos os gostos, de um guerreiro hebreu a um doido que constrói arcas. Que Deus nos abençoe.

O Hobbit: jornadas inesperadas, dragões desolados e cinco exércitos

Vamos lá conversar sobre todas essas coisas

16 de dezembro de 2014

O Hobbit – A Batalha dos Cinco Exércitos” estrou mundialmente (ou quase, nos EUA só estréia dia 17) e já arrecadou quase 200 milhões de dólares. A adaptação de Peter Jackson é poderosa em todos os aspectos, mas será que esse terceiro filme fez jus ao peso que ele carrega?
Você já leu o review do Amigos do Fórum, mas agora é hora de OUVIR.

O Hobbit: A Batalha dos Cinco Exércitos | REVIEW

>>>INSCREVA-SE

“Marco Polo” e NetFlix: expandir para conquistar

Superprodução mostra que assim como Gengis Khan, o NetFlix quer ainda mais

15 de dezembro de 2014

Com 10 episódios com cerca de uma hora de duração, a nova série original do NetFlix chega com pompa de superprodução, talvez a maior até aqui do serviço online. “Marco Polo” narra a história pessoal do explorador italiano de mesmo nome, um dos primeiros ocidentais a explorar a Rota da Seda. Ao mesmo tempo, mostra os bastidores de um dos maiores impérios que já existiram, na era dos Khans da Mongólia nos anos de 1273.

Assim como Marco Polo que explorou o mundo e com suas histórias riquíssimas de detalhes, trouxe ao ocidente um pouco da cultura asiática, o NetFlix busca com essa série novas terras e públicos. É um serviço online levando sua bandeira a territórios dominados pela TV. A expansão é irreversível.


“Marco Polo” é digno de qualquer superprodução, afinal, com dinheiro em mãos, é possível recriar com grandes detalhes a cultura mongol e chinesa, com figurinos e locações de encher os olhos. Porém, a série não mostra o explorador e comerciante que cravou seu nome na história, mas sim um garoto abandonado pelo pai no palácio de Kublai Khan (neto de Gengis Khan) aprendendo um pouco da cultura do oriente. O que deveria ser uma grande jogada do roteiro, às vezes é esquecido.

Se em “Vikings” temos o monge que explora a cultura nórdica com os olhos de um espectador, falta a Marco Polo esse tipo de ação. É claro que existe sim um mergulho nessa cultura, principalmente no choque entre mongóis e chineses em uma época de constante tensão entre ambos os lados.  O elenco é primoroso e recheado de personagens que mesmo caricatos, são interessantes de se acompanhar. O mestre zen Cem Olhos é um exemplo. O cego mestre chinês vive sob o domínio do Khan, é ele quem ensina a Polo a milenar arte do kunf fu. Suas aulas são ao mesmo tempo para Marco e para nós.

Marco Polo” é a forma do NetFlix mostrar que está pronto para expandir e conquistar. É pra dar de dedo na cara da HBO e mostrar que também é capaz de filmar um épico (e que também consegue montar diversas cenas de nudez, rsrs). E agora com um cardápio de produções originais ainda mais diversificado, é pra acompanhar de perto o que esse império online pode se tornar.

Topo ^