Abram caminho para “Batman V Superman” na Comic Con

Novas imagens mostram a Tríade da DC e Lex Luthor cabeludo (ou seria peruca?)

2 de julho de 2015

Há exatos sete dias do início da Comic Con, a revista EW divulgou as primeiras imagens oficiais de “Batman V Superman: A Origem da Justiça” e só prova uma coisa: 2015 é o ano da DC no evento.

Com a Marvel oficialmente fora do jogo, o caminho está livre para a DC brilhar com seus filmes. Na aposta de sites especializados, teremos trailers de Batman V Superman, Esquadrão Suicida, algo de Flash e Aquaman e a reunião de todo o elenco da Liga da Justiça no Hall H, principal palco do evento que reúne mais de 4 mil pessoas.

É a DC dos cinemas com os holofotes voltados pra ela. Finalmente… As novas imagens estão incríveis. Vai desde Bruce e Diana no Baile dos Enxutos a Lex Luthor cabeludo (ou peruca).

Senhoras e senhores, a Tríade da DC:

O que dizer disso tudo?
Esse filme será um marco na história do cinema de herói.

EU CONFIO EM ZACK SNYDER!

Ah se “Exterminador do Futuro: Gênesis” tivesse segurado a mão nos trailers…

Você poderia amar ou odiar o quinto filme da franquia, mas não poderia reclamar de algumas reviravoltas interessantes

1 de julho de 2015

Volta e meia falo aqui no Amigos do Fórum sobre a exposição que alguns estúdios estão dando para seus filmes, seja através de histórinha pra boi dormir ou em dezenas de teasers, trailers e o cacete a quatro. Aliás, vários veículos de imprensa e/ou canais de cultura pop estão sendo unânimes sobre esse exagero. Os dois principais no Brasil, Omelete e Jovem Nerd, já falaram a respeito. É mais ou menos a questão que tentei levantar no vídeo sobre a Era do NOOOOSSA!

Não da pra chamar de crise, mas quando o próprio diretor critica a exposição desnecessária do seu filme é preciso para pra pensar no que está acontecendo. Em entrevista ao site Uproxx, Alan Taylor condenou as surpresas que foram estragadas pelos trailers de “Exterminador do Futuro: Gênesis“.

Eu certamente dirigi essas cenas com a intenção de que ninguém saberia até o lançamento do filme“, disse o diretor. De fato, chega a ser inacreditável que alguém achou uma boa ideia entregar em um trailer a maior reviravolta do quinto filme da franquia. É como se já no teaser de o “O Sexto Sentido” uma narração em off diz: “Um homem morto tentará ajudar uma criança que vê gente morta…“.

Existem pelo menos dois momentos que poderiam tirar aquele “EITA NÓIS” de você.

O primeiro é justamente quando o T-800 velhão encontra o T-800 que acabou de chegar do futuro. A cena é uma bela homenagem ao longa de 1984, até mesmo com o movimento de câmera semelhante. Seria DO CARALHO a surpresa que o filme entregou já no primeiro trailer. Mas dai você fica naquelas, com zero de expectativa, já sabendo que vai aparecer o XUÁZA de cabelo branco e dar um pau no novinho. E mesmo a excelente computação gráfica (excelente mesmo), a cena acaba se perdendo.

Outro momento ainda mais importante (o ponto alto do filme) é justamente a revelação que John Connor é o verdadeiro exterminador infiltrado. Durante todo o primeiro ato, pequenos diálogos entre Kyle Reese e Sarah Connor vão colocando uma pulga atrás da orelha, afinal, Reese não confia no T-800 (me recuso chamá-lo de “papi”). Quando John Connor aparece e leva um balaço no peito do velho Arnold, você já sabe que não, o Connor não é mocinho. Cara, essa cena seria extremamente putaqueparível se tivesse sido guardada a sete chaves. Sério, cagou tudo.

O filme basicamente começa desse ponto, porque até ali TUDO o que aconteceu estava nos trailers.

Ainda sobram uma ou duas surpresas, não se preocupe. Claro, existe também a deixa para futuros próximos filmes ao melhor estilo Marvel (ninguém sai antes dos créditos finais). “Exterminador do Futuro: Gênesis” precisa aprender com seus erros e seus executivos mais ainda. Não apenas o cinema, mas a TV também, afinal, como esquecer o first look da Supergirl que RESUMIU o piloto? Será que estamos ficando com tanta preguiça de pensar assim?

Enfim, enquanto a moçada não perceber que um filme deve ser assistido dentro de uma sala de cinema, não em um trailer no youtube, eu escolho esperar.

O pessimismo é parte dos personagens de True Detective

"Night Finds You" (s02e02) joga no chão qualquer esperança de um mundo melhor para seus protagonistas

30 de junho de 2015

Nós temos o mundo que merecemos“, diz Ray Velcoro a policial Ani Bezzerides, em mais uma fabulosa cena em que se passa dentro de um carro. Nic Pizzolatto mais uma vez nos convida para um passeio enquanto dois de seus personagens trocam excelentes diálogos e aos poucos nos mostram suas personalidades. O mesmo ocorreu na primeira temporada com Rust e Marty. Parece ser uma das várias marcas registradas da série.

E que mundo merece nossos novos detetives? Bom, aparentemente, nenhum colorido. As tomadas aéreas por uma Los Angeles às vezes cinza, às vezes escura, um passeio por complexos industriais e muito ferro enferrujado, mostra que o clima de pessimismo segue rondando True Detective.

Um crime, um detetive, dois policiais e um empresário. Assim como o emaranhado de estradas que ligam L.A. e cidades próximas, “Night Finds You” serve para criar essa espécie de conexão entre os personagens e mais uma vez colocando Velcoro no centro de nossas atenções. Ou não, mas a atuação de Colin Farrell insiste em destacar o personagem.

O passado de Velcoro continua a ser desenhado aos poucos, mostrando que o mundo que ele merece é justamente o que ele já vive. Abandonado pela mulher, fantoche na mão da máfia e do sistema e agora sem permissão pra ver o filho, o sofrimento de Velcoro parece constante e as expressões de Farrell pensam em tela. O cara parece dormir em um poço sem fim (e acordar nas mãos de George R.R. Martin).

Sua relação com Ani já nos presenteou com excelentes diálogos. A policial durona e introspectiva mostra um apreço pela lei. Afinal, nem mesmo ela escapou do pessimismo de True Detective: seus amigos de infância ou estão presos ou se mataram. Sobrou a futura policial.

Manchas no passado ainda assombram Frank Semyon. O homem que luta contra seus instintos para ser apenas um bom empresário, acaba de tomar uma rasteira de pessoas tão ou mais poderosas do que ele. O personagem lembra uma mistura de Stringer Bell de The Wire e Wilson Fisk de Demolidor. Gosto de “vilões” que se impõe sem precisar do auxílio dos músculos. Como diria Henry Hill ao falar de Paulie em “Os Bons Companheiros“: “Ele podia ser devagar, mas só porque não precisava se mexer pra ninguém“.

Assim, True Detective vai nos mostrando seus personagens de caráter duvidoso, deixando sempre a sombra da dúvida sobre suas personalidades, a fotografia belíssima que chega a ser sacanagem comparada a outras séries. Qual será o próximo movimento? É fácil prever quando é fácil ler alguém, o que não é o caso aqui.

Assistir a esses seres humanos interagindo também nos coloca pra pensar qual será o mundo que eu ou você merece. Afinal, assim como as estradas de Los Angeles, as cores nem sempre estão presentes. E lá vamos nós enxergar o copo meio vazio… maldito pessimismo.

 

Remake de “De Volta Para o Futuro”? Só por cima do cadáver de Robert Zemeckis

Na era dos reboots e remakes, temos uma obra prima a salvo

30 de junho de 2015

Em outro post falei como Hollywood está com uma nova missão de não deixar nada guardado em nossa memória e sempre tentar mexer em algo intocável. É claro que de vez em nunca eles acertam a mão, como no caso de Planeta dos Macacos e Mad Max. Mas se formos contar nos dedos quantos remakes ou reboots deram certo… vish, não enche uma mão.

E nos tempos em que Robocop, Exterminador do Futuro, Caça Fantasmas, Blade Runner, Alien, Scarface e outras várias obras dos anos 80 estão retornando ao cinema, será que um dos maiores clássicos irá resistir? Teria De Volta Para o Futuro uma oportunidade de pisar nos século XXI? Bom, se depender do diretor Robert Zemeckis não. Pelo menos enquanto ele estiver vivo.

Em entrevista ao The Telegraph o diretor recebeu a pergunta sobre essa possibilidade com um certo tom de espanto: “Meu Deus, não! Isso não pode acontecer até que eu e Bob (roteirista do filme) estivermos mortos. Depois eu tenho certeza que vão fazer, a não ser que haja um modo de nossos espíritos não permitirem isso”.

HAHAHAHAHAH! Deve ser difícil pra um cara que vai lá, crava seu nome na história da sétima arte ver sua obra sendo pisoteada em uma nova versão. Filmes com essa importância na cultura popular não precisam ter suas histórias recontadas, elas estão ali pra quem quiser assistir.

Robert continua sua resposta com algo que eu concordo uns 300%: “Isso, para mim, é um absurdo. Especialmente porque é um bom filme. É como pensar em fazer um remake de Cidadão Kane. Quem nós vamos contratar para interpretar Kane? Que insanidade é essa? Por que alguém faria isso?“.

Você consegue imaginar Poderoso Chefão sem Marlon Brando?
Taxi Driver sem Robert De Niro?
Os Bons Companheiros sem Joe Pesci?

Por favor. Vamos criar uma lista de FILMES INTOCÁVEIS NÃO OUSE FAZER DE NOVO, conseguir todas as assinaturas do mundo e entregar para os chefões da porra toda em Hollywood. Precisamos ter história gente.

 

Eu ainda não estou acreditando que vão fazer um filme dos Power Rangers

Com suposta premissa revelada, a realidade bateu a porta

30 de junho de 2015

Não adianta moçada, a década de 90 voltou com força total. Dinossauros, Cavaleiros do Zodíaco, Dragon Ball, Digimon, Banheira do Gugu e Power Rangers. A melhor década está sendo celebrada por novas gerações. Até onde isso pode ser maneiro eu não sei, mas a mão da nostalgia chega a tremer.

Porém entre todos esses que citei, o único que eu realmente não tinha me tocado que iria rolar de verdade é o filme dos Power Rangers. Sério, não faz sentido, mas tô feliz mesmo assim.

Exibido pela primeira vez em TV aberta pela Globo em 1995, Power Ranger veio pra surfar no fenômeno dos tokusatsu, esses quase todos nas mãos da TV Manchete. A série cravou de vez a febre e talvez seja o maior sucesso de sua geração. E convenhamos, era MUITO FODA. A explicação do sucesso é fácil: heróis japoneses com robôs dinossauros/animais pré históricos… cara, era tudo que uma criança da época gostava. TUDO.

A primeira temporada tem um valor sentimental muito forte. Não da pra esquecer da Rita Repulsa, do Tommy, do Megazord. Esse tipo de coisa fica pra sempre na memória. Mas hoje em dia Hollywood não deixa isso acontecer e volta e meia manda um reboot, remake, whatever na tua fuça. E claro que Jason não seria imune: o novo live action estréia em 2017 e será dirigido por Dean Israelite, o maluco que fez “Projeto Almanaque” (nem vi).

Segundo o cara, o filme será maduro sem deixar de ser divertido. Está mais do que claro que isso é culpa do sucesso da Marvel. Todo mundo quer seguir por essa estrada de ouro e fazer a cabeça da molecada. E se Jurassic World provou que os anos 90 ainda vivem (filme já passou da casa do bilhão em 17 dias), porque não trazer de volta os Rangers?

E nessa de trazer de volta algo até um pouco datado, deram nas mãos dos roteiristas de “X-Men: Primeira Classe” a tarefa de reimaginar a série. Segundo o novo site do Latinão, agora chamado Heroic Hollywood, a premissa é mais ou menos assim:

Há 65 milhões de anos atrás, Zordon e Rita foram abandonados aqui na Terra e saíram na porrada. Zordon explode um buraco negro que acaba afetando o espaço tempo do nosso sistema solar. Ambos sobreviveram e despertam novamente. Somos apresentados aos jovens Jason, Billy, Zack, Kimberley e Trini. Um belo dia eles acordam com as moedas do poder ao lado da cama e descobrem novas habilidades.

Rita desperta na Rússia (LOOOL) e está assaltando bancos ao redor do mundo afim de encontrar ouro. Ela quer despertar Goldar. Zordon e o robô Alpha 5 descobrem que tem 71 horas para detê-la. Zordon espera que as moedas do poder tenham escolhido os Rangers corretos.

Que homem…

Louco, não? Não tem como uma pessoa chamada RITA REPULSA não se dar bem no século XXI.
Espero que enquanto vocês brigam por Marvel Vs DC, eu esteja sorrindo vendo os Power Rangers.

HBO libera primeiro episódio de “Ballers” no facebook

Novos tempos amigos, novos tempos

26 de junho de 2015

Nossa maneira de consumir conteúdo mudou. Não tem mais volta, já era. Agora resta saber se quem produz o conteúdo tem noção disso, porque afinal, só um perfil engraçadinho nas redes sociais não ajuda em nada.

A HBO é uma dessas empresas que está se mexendo. Dona de um catálogo incrível de produções originais, o canal lançou em abril o serviço HBO GO nos EUA. Agora você não precisa mais estar preso a uma TV a para poder acompanhar de maneira legal as séries, basta assinar o serviço de streaming. É claro que no BR ainda não temos previsão de chegada, mas acredite, não vamos ficar de fora.

A novidade da vez diz respeito a série BALLERS, aquela que tem o Dwayne Johnson no papel de um jogador de futebol americano aposentado. A mistura de drama e comédia cheia de ostentação estreou no último domingo. Já que o evento não era tão grandioso ao ponto da HBO liberar o sinal como faz com Game Of Thrones, a solução foi disponibilizar o primeiro episódio de forma gratuita na fanpage oficial.

PQP! Que sensacional! É a primeira vez que uma empresa do porte da HBO faz isso. Se eu fosse você, faria parte desse momento histórico.

CLIQUE AQUI e assista Ballers no facebook!

Ps: a HBO também disponibilizou o primeiro episódio de “The Brink

Homem Formiga e trailers: eu escolhi esperar

Por que deixei de ver e ler qualquer coisa relacionada ao filme há algum tempo

26 de junho de 2015

Era uma manhã de sexta feira quando rolou a exibição pra imprensa de “Vingadores: A Era de Ultron“. A expectativa estava lá na pqp, nervosismo total e aquela vontade deliciosa de ser surpreendido durante o filme. Bastou algumas horas para que o filme começasse a se digerir e minhas opiniões serem formadas. Rolou uma série de reviews aqui no blog e acho que deu pra perceber que, mesmo gostando do filme, me decepcionei pelo fato de visto quase tudo nos trailers.

A culpa é da Disney? Marvel? Do departamento de marketing? Do Capitão América? Não, a culpa foi 100% minha.

Corra que o trailer vem ai!

Praticamente todo santo dia tinha algum clipe, cena estendida, fotos e etc. Trailer final mesmo deve ter saído uns 4. O problema é justamente essa desgraça de ansiedade que fode tudo. É um filme que você estava esperando desde 2012 e que finalmente iria estrear, pqp, não tem como deixar isso de lado.

Mas depois que você assiste e sai do cinema com aquela sensação que comeu algo já mastigado… puts, ai da uma tristeza. Afinal, o filme está todo ali, nos mais de 200 mil trailers e clipes. E basta você montar o quebra cabeça que praticamente se torna um resumão do filme.

Pensando justamente nesse tipo de decepção que me causei, resolvi me limitar a um determinado número de informações e trailers. Começando com Homem Formiga, filme que estréia mês que vem. Basta você dar uma navegada pela internet que verá a enxurrada de novos vídeos e imagens que estão rolando.

Tudo que sei sobre Homem Formiga se resume ao trailer oficial lançado no dia 13 de abril. Gostei do humor, dos efeitos visuais, do mundo em miniatura e fim de papo. Era isso que eu precisava saber. Sei que é difícil fazer isso, ainda mais quando se tem um blog que fala sobre o assunto. Mas talvez seja hora de dar aquela pisada no freio, de verdade.

Afinal a culpa não é de quem faz o filme ou dos veículos que espalham as novidades. Quem da o play somos nós. Então nessa de tentar ter uma experiência um pouco melhor na próxima sessão, eu escolho esperar a estréia de Homem Formiga dia 16 de julho.

Topo ^